Siga o OTD

Surfe

Ítalo Ferreira conquista o ISA World Surfing Games 2019

Com uma nota máxima, o brasileiro conquistou a competição no Japão. Gabriel Medina ficou com o bronze e Silvana Lima foi prata no feminino.

Ítalo Ferreira nos Jogos Mundiais de surfe nos jogos olímpicos tóquio 2020 WSL
ISA/Pablo Jimenez

Foi com nota 10! Ítalo Ferreira conquistou o título do ISA World Surfing Games de 2019 da melhor forma possível na noite deste sábado (14). Na decisão da competição, que aconteceu no Japão, o brasileiro conseguiu um total de 17.77 pontos e ficou com a primeira colocação. o americano Kalohe Andino foi o segundo colocado com 17.06 e Gabriel Medina foi o terceiro com 14.50.

Depois de chegar em cima da hora para a sua primeira bateria na competição, Ítalo Ferreira se agigantou durante sua participação no World Surfing Games 2019. Por conta de um assalto que sofreu, o surfista brasileiro passou por uma verdadeira batalha para conseguir chegar no Japão. Mesmo chegando atrasado, com sua bateria de estreia já acontecendo, e sem a roupa adequada, Ítalo competiu e seguiu na disputa.

Na bateria decisiva a categoria do atleta fez a diferença. Com uma nota 10 ainda na primeira parte da final, Ítalo Ferreira abriu vantagem e ficou a maior parte do tempo na liderança da final. Faltando menos de cinco minutos para o fim, Gabriel Medina cresceu e conseguiu sair do quarto para o segundo lugar, com um total de 14.50. Contudo, na última onda, Kalohe Andino acertou tudo que pensou e subiu para o total de 17.06, roubando a prata de Medina.

Silvana é prata

Na decisão da chave feminina do ISA World Surfing Games 2019 Silvana Lima foi ao pódio. Com 12.77 pontos, a surfista brasileira terminou a competição no Japão com a medalha de prata, ficando atrás apenas da peruana Sofia Mulanovich, que fechou a participação com 13.80. Bianca Buitendag, da África do Sul, foi a terceira colocada, com 12.64.

Considerando o retrospecto da campanha geral, o Brasil também ficou com o título por equipes dos Jogos Mundiais de Surfe.

Veja o post de Ítalo Ferreira sobre a batalha para chegar ao Japão

 

Ver essa foto no Instagram

 

(Continuação nos comentários) Se você tiver um minuto, leia o texto abaixo e reflita comigo sobre tudo o que aconteceu nos últimos dias. Você pode transformar essa história em algo positivo pra sua vida. Fui roubado 4 dias atrás, nos Estados Unidos. Na minha mochila, que eles levaram, tinha alguns pertences pessoais e o documento mais importante para uma pessoa que está viajando e nem sabe falar perfeitamente a língua local: o passaporte. Este era eu. Sem saber pra onde ir, sendo que no mesmo dia eu tinha um voo marcado para o Japão 🇯🇵 para competir em um evento mundial essencial na busca por uma vaga nas olimpíadas de 2020, em Tokyo. No dia seguinte ao roubo, tive ajuda de algumas pessoas do Brasil, Estados Unidos e até mesmo do Japão. Tentaram me ajudar com um passaporte novo, um visto japonês e o mais difícil: o visto americano. Todas as informações diziam que o melhor era eu sair dos Estados Unidos para refazer tudo (marcar horário, agendar entrevista, etc) no consulado americano. Então saí dos Estados Unidos no dia 08 de setembro e embarquei para Tokyo, com entrevista marcada para o dia seguinte, 09. Parecia tudo normal, mas MEU VOO ATRASOU POR CAUSA DE UM FURACÃO – inclusive, fiquei 18 horas dentro do avião. Ou seja, eu não teria como chegar a tempo para a entrevista no consulado no Japão. Então remarquei para as 8:30 do dia 10 de setembro, primeiro dia da competição, sem ter certeza de que o visto seria aprovado. Eu estava confiante e feliz, mesmo depois de tudo, só por ter chegado até o Japão. O visto foi aprovado, deixei meu passporte no consulado americano e comecei mais uma missão. Fui correndo para o Aeroporto de Tókio em busca do primeiro voo para a cidade onde eu iria competir. Minha bateria era a 6ª do Round 1, mas o evento atrasou 1 hora e isso me deu uma pequena chance de chegar a “tempo”. Quando pousei no aeroporto, saí correndo: larguei as malas e fui direto para o carro do comitê brasileiro que estava a minha espera. Minha bateria já tinha começado e demoramos 10 minutos do aeroporto até a praia. CONTINUA NOS COMENTÁRIOS!

Uma publicação compartilhada por Italo Ferreira (@italoferreira) em

Confira a distribuição das vagas olímpicas do surfe:

  • Circuito Mundial 2019: 10 homens 8 mulheres
  • Jogos Pan-americanos 2019: vaga para o campeão/campeã
  • Jogos Mundiais de Surfe 2019: 4 homens e 4 mulheres com cada um deles como melhor dos continentes África, Ásia, Europa e Oceania.
  • Jogos Mundiais de Surfe 2020: 4 homens e 4 mulheres
  • País sede: um homem e uma mulher

Mais em Surfe