Siga o OTD

Rosângela SANTOS

NASCIMENTO
WASHINGTON D.C./EUA
IDADE
29
ALTURA
1,65m
PESO
55kg
OLIMPÍADAS
3
PANS
3
CLUBE
PINHEIROS/SP
MEDALHAS OLÍMPICAS
Pequim 2008(4x100m)
MEDALHAS PAN-AMERICANAS
Guadalajara 2011(100m)
Guadalajara 2011(4x100m)
Lima 2019(4x100m)
Apesar de nascer nos Estados Unidos, onde seus pais viveram, Rosangela foi criada e começou a trilhar seu caminho para se tornar uma das mais destacadas velocistas brasileiras no bairro carioca de Padre Miguel, onde com nove anos de idade iniciou o contato nas pistas da Vila Olímpica do mesmo bairro.
Em 2008, com apenas dezessete anos de idade, integrou a equipe brasileira do 4×100 metros rasos com time formado por Lucimar de Moura, Rosemar Coelho Neto e Taíssa Presti, onde foram então 4ª colocadas por 0.01s atrás da Nigéria. O gosto amargo de um quase pódio olímpico foi revertido em 16 de Agosto de 2016, quando a equipe russa, então campeã, foi desqualificada devido ao doping de Yuliya Chermoshanskaya.
A notícia da medalha de bronze coincidentemente foi oficializada pelo Comitê Olímpico Internacional durante os Jogos Olímpicos do Rio, a terceira edição olímpica da atleta. Entre Pequim 2008 e Rio 2016, a carreira de Rosângela foi marcada pelo título pan-americano dos 100 metros rasos em Guadalajara 2011, o primeiro de uma mulher brasileira desde Esmeralda de Jesus em Caracas 1983.
Em Londres 2012, foi semifinalista nos 100 metros rasos, a primeira mulher do Brasil a atingir tal feito.Foi também finalista no revezamento 4×100 junto com Ana Cláudia Lemos, Franciela Krasucki e Evelyn dos Santos, time sétimo colocado e que registrou seguidos recordes sul-americanos para a prova, sendo o ainda vigente a marca de 42.29 segundos da semifinal do mundial de Moscou 2013. Campeã dos Jogos Mundiais Militares em 2015, Iberoamericana em 2016 e dona de outros dois títulos pan americanos (com o revezamento) em Guadalajara 2011 e Lima 2019, outro grande feito da carreira de Rosangela foi a final do campeonato mundial de 2017 em Londres. Para chegar à decisão e terminar em um espetacular sétimo lugar, a americana / carioca quebrou o recorde sul-americano dos 100 rasos com 10.91s, se tornando a primeira brasileira a correr abaixo dos onze segundos na prova.
O feito marca ainda mais a uma carreira cheia de ineditismos de quem tem como curiosidade na vida pessoal o fato de ser neta de Orozimbo de Oliveira, fundador da Mocidade Independente de Padre Miguel, uma das maiores escolas de samba do carnaval carioca. Busca em 2020 a sua quarta participação olímpica, onde para isso precisará atingir o índice IAAF de 11.15s nos 100 metros rasos, ou ser uma das quatro atletas brasileiras mais bem ranqueadas da prova para integrar o revezamento que possui grandes chances de qualificação.