Siga o OTD

Remo

Tecnologia e leitura ajudam Fernanda Nunes na quarentena

O Olimpíada Todo Dia falou com Fernanda Nunes, atleta do remo brasileiro e mãe do Bento, de sete anos, com quem está sozinha em casa nesse período de isolamento social

Fernanda Nunes - como atletas estão lidando com os filhos na quarentena

Na segunda reportagem da série “como os atletas lidam com filho na quarentena”, O OTD conta como está o isolamento da atleta do remo Fernanda Nunes, sozinha com seu filho Bento no Rio de Janeiro

pandemia do coronavírus vem mudando drasticamente a vida de atletas amadores e profissionais. Sem poder frequentar os habituais locais de treinamento por conta do isolamento social, sugerido pelos governos como forma de impedir a propagação do vírus, os esportistas têm de adaptar seus treinos dentro de casa, o que nem sempre é algo fácil.

Os atletas que têm filhos sofrem ainda mais. Com aulas e atividades extracurriculares suspensas, pais e mães que praticam o esporte profissionalmente têm de se redobrar para conciliar a rotina de seus treinos com a das crianças.

Olimpíada Todo Dia preparou uma série exclusiva de entrevistas com atletas que são pais para entender como está funcionando suas quarentenas, com a presença das crianças em casa e que estratégia eles vêm utilizando para lidar com a situação.

Na primeira reportagem, vimos que a bicampeã olímpica com a seleção feminina de vôlei Jaqueline Carvalho está conseguindo lidar bem com a situação, muito em função da divisão de tarefas com o marido Murilo. Hoje saberemos como Fernanda Nunes, atleta do remo, tem feito para lidar com a quarentena cuidando sozinha do filho Bento.

Tecnologia e hora da leitura: fundamentais na quarentena

Assim que foi determinado o isolamento social, Fernanda Nunes saberia que não seria fácil alterar sua rotina. Morando sozinha com seu filho Bento, de sete anos, a remadora não pode mais contar com o suporte de pessoas que lhe ajudavam com as tarefas diárias, como limpar a casa ou fazer comida, e ainda tem que conciliar seus treinos com a rotina da criança.

Segundo a carioca, manter o foco mental e a disciplina vem sendo a parte mais difícil. Mas ela encontrou na tecnologia uma grande aliada nesse momento desafiador e complicado.

“Estou tendo que usar a tecnologia como recurso a meu favor nessa quarentena. Por mais que a gente saiba que não é o ideal que a criança fique muito tempo com jogo em tv, eu estou usando. De manhã, no meu horário de treino, estipulamos que ele pode jogar no celular ou ver filme,” comentou a atleta.

Como deixar a criança o tempo todo no videogame não é algo recomendável, Fernanda estipulou o horário da leitura, algo raro de se ver nos dias hoje em um mundo tão dominado pelos recursos digitais.

Usar Bento como peso funciona, mas com uma boa conversa antes

” A gente tem tentado colocar o horário da leitura, mesmo com os jogos eletrônicos sendo muito sedutores. É difícil fazê-lo parar de jogar. Mas estou conseguindo,” disse Fernanda Nunes.

Um ponto positivo para a atleta é o alinhamento dos horários de acordar, almoçar, jantar e dormir do filho com os dela. Também ajuda o fato de que Bento se interessa em ajudar nos treinos.

Local onde Fernanda Nunes executa seus treinos em casa

“Ele geralmente ajuda pegando água. Ele bota o vento do ventilador pra mim para mim. Nos treinos de força, coloco eles nas costas. Faço o exercício com ele. Já tentei envolve-lo no exercício. Uma corda pra ele pular, algo do tipo, mas nesse tipo, ele só faz quando quer,” explicou.

Fernanda conta que para que Bento se envolva em suas atividades, é preciso ter uma boa conversa antes para que o filho não ignore completamente as atividades físicas da mãe e demande atenção para brincar.

Conversa antes do treino

“O que funciona muito com ele é delimitar horário. Por exemplo, eu faço o aquecimento e falo: “Filho, agora são 30 minutos que a mamãe não pode falar. Ok?” E ai ele sossega. Caso contrário, ele fica falando: ‘mãe, falta quanto?’, ‘mãe, já acabou?’, ‘mãe vou fazer cocô’ [risos].”

Ver essa foto no Instagram

Os últimos dias não têm sido fáceis. Minha cabeça não pára e o corpo não se mexe tanto o quanto gostaria. Treinar em casa é algo que tenho um certo costume, mas ultimamente tem sido massacrante. Nessas horas, minha disciplina não falha, mantém o plano. Meu filho entende, mas mostra sinais de estresse. Normal. Tenho que lidar com o dele, com o meu, com o das pessoas que amo, com o das pessoas que sei que sofrerão o impacto e me importo. Ofereço minha solidariedade a quem precisar – posso fazer mercado, serviço de biketaxi. Ofereço meu ombro pra chorar e abraçar virtualmente, mas também peço que se cuidem, que respeitem as regras do jogo. Não aumentem o sofrimento que é coletivo. Fiquem em casa. Façam videoconferência com os amigos. Se movimentem dentro de casa. Não deixem os véio ir pra rua. Lavem as mãos. Mantenham a cabeça forte, a fé viva. Tudo nessa vida passa e isso vai passar tb. #morgadotri #triathlon #bike #trek #rowing #remo #remobrasil #bolsaatleta #marinhadobrasil #rowlikeagirl #crisperroninutrição #vitalispharmasp #lundtrainers #lph #laboratoriodeperformancehumana #projectb #gpeex #physioscience #malamacenter #errejota #asmarortopedia #meditaçãotranscendental #refeitorioorganico

Uma publicação compartilhada por Fernanda Nunes Leal Ferreira (@mulherquecorrecomlobos) em

Apesar do certo trabalho que Fernanda tem com Bento, a remadora fica contente de poder estar com seu filho nesse momento difícil que o mundo vive. “nesse momento de pandemia, eu me sinto mais segura de tê-lo comigo, pela nossa convivência,” concluiu.

Mais em Remo