Siga o OTD

Paralímpicos

Da frustração à missão, a história do Projeto Sem Limites

Tudo mudou quando Felipe Pi perdeu a visão de um olho: deixou o futebol e hoje ensina natação para deficientes

Projeto Sem Limites - Deficientes - Felipe Pi - Natação
O idealizador do projeto, Felipe Pi (Instagram/projetosemlimites1)

Há quem diga que todos nós temos uma missão. E que nada acontece por acaso. Pois imagine ter um sonho, começar a realizá-lo e pouco tempo depois, ter ele tirado de você após sofrer um acidente. Mas esse acidente acaba sendo um divisor de águas, que abriu seus olhos para o mundo. Esta é a história de Felipe Pi, ou como era chamado nos tempos de futebol, Felipe Mixirica. Se no campo de futebol ele não teve sucesso, no campo da solidariedade ele é campeão, com o Projeto Sem Limites. 

Comecemos então pelo presente, antes de contar o passado. Felipe é o idealizador do projeto social chamado Sem Limites, no qual ele e mais oito pessoas dão aulas de natação para deficientes visuais, físicos e mentais. E de forma voluntária. Para entender essa história, agora sim, voltemos para o momento em que tudo mudou.

+Judô Para Todos representa luta por espaço e reconhecimento

Como grande parte dos meninos brasileiros, Felipe tinha o sonho de ser jogador de futebol. Se dividia entre treinos, trabalho e estudo, enquanto esperava pela realização do sonho. Que demorou a acontecer, mas se realizou. Depois de não passar em vários testes, enfim um clube abriu as portas a Felipe, quando ele tinha 20 anos. Foi o Ituano, em 2007.

Felipe, no entanto, foi contratado quando a Série B do Campeonato Brasileiro já estava em andamento e não pôde ser inscrito. Mesmo assim, ele continuou treinando com o time, que veio a ser rebaixado naquele ano, sob a promessa de disputar o Campeonato Paulista de 2008. Nesse meio, porém, o inesperado aconteceu. 

A frustração – Divisor de águas

Como Felipe não estava jogando a Série B, ele ficava livre aos finais de semana e aproveitou para participar de outros campeonatos locais, de várzea. No final de 2007, em um amistoso, ele foi dividir uma bola com o adversário, que acabou deixando a mão no rosto e batendo no olho direito de Felipe. E ele acabou perdendo a visão deste olho.

“Quando aconteceu, eu não sabia o que estava acontecendo, que eu tinha perdido a visão. Mas aí fui percebendo que passavam os dias e a visão não voltava… Fui várias vezes ao médico fazer exames e no final, era algo mais grave”, contou ao Olimpíada Todo Dia. “Quando eu recebi a notícia, foi mais complicado. Acho que nem tanto pela visão, mas pelo futebol. Foi a primeira coisa que eu pensei. Poxa, uma coisa que eu gostava tanto…”

+ SIGA O OTD NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

O pós-acidente, como é de se imaginar, não foi fácil. Felipe ficou quase um ano em depressão, até que conseguiu colocar um ponto final no passado e partir para o futuro. Começou a cursar Educação Física e passou a estagiar na academia em que está até hoje e onde mudou, não só a sua vida, mas a de tantas outras pessoas.

“Tinha um pessoal que era deficiente visual e nadava lá (na academia). Comecei a observar as aulas e um dia perguntei para o professor se eu podia acompanhar uma aula, para aprender. E no começo, aquilo me fazia um pouco mal, porque eu via o pessoal cego e me perguntava se em dia eu ia ficar assim também… Mas depois, aquilo me fez bem e acabou sendo uma porta para eu começar a seguir outro caminho”, contou Felipe.

O projeto

“Quando eu jogava bola, não pensava nessas coisas, nas pessoas com deficiência. A gente não pensa nessas coisas até que acontece com a gente. E depois do acidente, eu comecei a mudar, olhar mais para as pessoas ao meu redor e ver que você pode ajudar de alguma maneira. Aquilo despertou um outro lado meu”.

Foi assim, então, que Felipe Pi teve a ideia de criar o Projeto Sem Limites e dar aulas de natação para deficientes. Pediu permissão à direção da academia para colocá-lo em prática e hoje, depois de quase cinco anos, já são 20 alunos, desde deficientes visuais, cadeirantes e até Síndrome de Down.

+Veja mais sobre o Projeto Sem Limites

Felipe contou, inclusive, que existe uma lista de espera com outros 15 interessados, que ele ainda não consegue contemplar, já que tem alunos que demandam uma atenção especial e equipe, voluntária, conta com apenas oito pessoas. 

As aulas acontecem todos os sábados, do meia-dia às 14h. Após as atividades, os outros alunos da academia fazem um lanche para os participantes do projeto Sem Limites, o que promove também a inclusão. 

Projeto Sem Limites - Felipe Pi - Natação - Deficientes
Inclusão promovida pelo Projeto Sem Limites (Arquivo Pessoal)

A missão – Era para ser

O mais curioso desta história toda é que, até hoje, Felipe Pi não tem um diagnóstico fechado. Cada médico tem uma opinião diferente sobre o que aconteceu com o olho dele. O que prova ainda mais que a missão dele não era dentro de campo, era na piscina. 

“Nada acontece por acaso. Tanto é que os médicos não sabem explicar exatamente o que aconteceu. Então eu acredito que cada um tem uma missão e a minha é esse trabalho, ajudar as pessoas. E tenho o sonho de expandir o Projeto Sem Limites e tentar ajudar cada vez mais pessoas”.  

Mais do que ensinar natação para deficientes, Felipe Pi aprende, e muito, a cada aula. “Você aprende mais com eles do que ensina. É uma aula todo dia. Às vezes você pensa: puxa, vou ter que ir lá de sábado, cansado depois da semana inteira, poderia ficar em casa… Mas quando você termina o treino, todo mundo dando risada, se superando, aquela interação do aluno com Síndrome de Down ajudando o deficiente visual… Você percebe como está fazendo diferença na vida daquelas pessoas. Vale a pena”. 

Muito mais do que atletas

O objetivo do Projeto Sem Limites, no entanto, não é necessariamente formar atletas. É a superação e solidariedade que importam. “Tem aluno que nunca tinha entrado na água. E hoje, ver alunos que tinham pavor de água nadando, não tem preço! Tem casos de alunos que perderam a visão há alguns anos e estavam em depressão. E hoje eles encontram uma maneira de sair dessa depressão, de não ficar o tempo todo em casa”.

“Então é muito bom ver como o esporte ajuda essas pessoas. A gente já conseguiu levar eles para algumas competições, festivais de natação, mas nosso objetivo não é formar atletas. É mostrar para eles mesmos que eles são capazes de fazer o que quiserem”, completou.

Projeto Sem Limites - Felipe Pi - Natação - Deficientes
O Projeto Sem Limites (Instagram/projetosemlimites1)

O improvável mudou a vida de Felipe Pi. E hoje, ele muda a vida de outras pessoas com o Projeto Sem Limites, dando mais do que “somente” aula de natação para deficientes. E tudo é como, de fato, deveria ser.

“Hoje, voltar a enxergar com os dois olhos não é mais uma prioridade. Eu vivo bem, faço tudo… E acho que nesse ponto o projeto me ajudou também, porque você vê tantas outras pessoas com deficiências mais complicadas e que estão aí, sem reclamar. Então eu diria para pessoas que passarem por algo parecido com o que eu passei, que acreditarem nelas. A tempestade sempre passa e sol sempre volta. E é o que eu falo para os meus alunos, é acreditar que eles são capazes de fazer o que quiserem. É só querer”.

Mais em Paralímpicos