Siga o OTD

Ciclismo Estrada

Ciclismo ganha 10 medalhas no Parabiago Paracycling

Seis ouros e quatro pratas foram conquistados no Parabiago Paracycling, em Milão, na Itália. Evento somou pontos para o Ranking Mundial classificatório para Tóquio 2020.

Divulgação/CBC

A Seleção Brasileira de ciclismo de estrada conquistou dez medalhas no Parabiago Paracycling, realizado entre os dias 4 e 5 de maio, em Milão, na Itália. O evento, classificado como C1/UCI, somou pontos para o Ranking Mundial classificatório para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. No último dia de provas, o Brasil protagonizou uma dobradinha na categoria C5 com os ciclistas Soelito Gohr e Lauro Chaman.

Em preparação para as próximas etapas da Copa do Mundo, os brasileiros desembarcaram confiantes na Itália para a disputa do Parabiago Paracycling. A prova do contrarrelógio foi o primeiro desafio e a Seleção conquistou cinco medalhas. Lauro Chaman, na classe C5, e Marcia Fanhani e Cristiane Pereira (Piloto), na Tandem, conquistaram o ouro. Victor Luise, na MC2, e Carlos Alberto, na MC1, levaram a prata, enquanto Soelito Gohr ficou com o bronze.

“Estamos ganhando ritmo de competição e percebendo uma evolução constante. Isso é muito importante para continuarmos motivados e buscando alcançar os nossos objetivos. Poder estar defendendo a Seleção e colocando o Brasil no pódio é uma experiência incrível, agradeço a todos pela oportunidade”, destacou Carlos Alberto.

Na prova de resistência, os paratletas brasileiros voltaram a brilhar e repetiram o excelente resultado conquistado no primeiro dia de competição. Com estratégias agressivas e muito bem planejadas, foram conquistadas três medalhas de ouro e duas pratas.

Marcia Fanhani e Cristiane Pereira (Piloto), mais uma vez conquistaram a medalha de ouro na categoria Tandem (Deficientes visuais) e terminaram a competição como um dos principais destaques. Na MC1, Carlos Alberto subiu no lugar mais alto do pódio, enquanto o experiente Soelito Gohr comemotou a vitória na MC5, fazendo uma dobradinha com Lauro Chaman, medalha de prata. Victor Luise ficou com a prata na MC2.

“Voltar a colocar a bandeira verde e amarela no lugar mais alto do pódio em uma competição do Ranking Mundial é muito importante para mim. Acredito que estamos no caminho certo, os resultados estão aparecendo em todas as categorias, evidenciando a força e o crescimento do Paraciclismo no Brasil”, comentou Soelito.

Mais em Ciclismo Estrada