Siga o OTD

Olimpíada

“Inimigo a se vencer”, diz lendário Mark Spitz sobre pandemia

Preocupado com o coronavírus, o nadador comenta sobre o cenário atual e relembra os momentos doloridos vividos durante o ataque terrorista na Olimpíada de Munique 1972

Mark Spitz, lenda olímpica da natação (Divulgação/Laureus)

A lenda da natação e membro da Academia Laureus, Mark Spitz, 11 medalhas olímpicas, compartilha os medos do mundo pelo futuro após a pandemia de coronavírus.

Ele diz: “Acho que o coronavírus vai mudar a maneira como fazemos muitas coisas, não apenas em relação ao esporte”.

O adiamento dos Jogos Olímpicos mais uma vez colocou o maior evento esportivo do mundo no centro da agenda de notícias e, para Spitz, reviveu memórias do momento mais traumático de sua vida, quando se viu no meio de uma das mais terríveis atrocidades terroristas da história.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Mark Spitz fez história esportiva nos Jogos Olímpicos de 1972 em Munique, Alemanha, conquistando sete medalhas de ouro e estabelecendo sete recordes mundiais. Mas a alegria de sua conquista foi instantaneamente ofuscada por um ataque do grupo terrorista palestino Setembro Negro à atletas israelenses.

O horror

Falando ao Laureus.com, Spitz, agora com 70 anos, lembra como o horror se desenrolou para ele.

“Infelizmente, no dia seguinte ao término da minha competição de natação, os israelenses, 11 deles, foram mortos por terroristas.”

“Os ataques terroristas começaram na Vila Olímpica e eu estava lá, a apenas centenas de metros de onde haviam invadido o complexo e onde os israelenses estavam reféns.”

“Quando acordei, não fazia ideia de que isso estava acontecendo. Na verdade, eu estava indo a uma coletiva de imprensa para falar sobre o sucesso que acabara de conquistar com as sete medalhas de ouro. Mas quando cheguei, a coletiva tornou-se uma grande discussão sobre o que eu sabia que acontecia na Vila Olímpica.”

“Foi só no final da noite que percebemos que os reféns tinham sido levados para uma base militar onde todos haviam sido mortos.”

A memória

“Eu continuei minha vida nos últimos 48 anos, explicando meus sentimentos sobre esse trágico incidente. Depois de entrar em contato e conhecer as esposas de alguns dos atletas que foram mortos, eu sei que eles pensariam que os Jogos Olímpicos devem continuar.”

“Não ‘em memória deles’, mas, mais importante, o que realmente aconteceu com eles se tornou menos importante do que a ideia de que o terrorismo não iria prevalecer.”

Mark Spitz possui 11 medalhas olímpicas, sendo nove ouros, uma prata e um bronze
Mark Spitz possui 11 medalhas olímpicas, sendo nove ouros, uma prata e um bronze (Divulgação/Laureus)

“Acho que eles fizeram um ótimo trabalho nos últimos 48 anos, sem nenhum tipo de incidente tão catastrófico quanto 1972. Acho que o movimento olímpico fez um bom trabalho ao avançar nesse sentido”, acrescentou Spitz, que está atualmente em quarentena em sua casa em Los Angeles.

Coronavírus

“Originalmente, quando fomos informados sobre esse vírus e que precisávamos ficar dentro de casa, foi por um período de duas semanas, mas percebi que isso não era realista. Não havia cura para essa pandemia em particular. Felizmente para mim, não tenho família ou amigos que foram afetados.”

+ COI evita condicionar Jogos à vacina e cria fundo de ajuda

“Eu tiro meu chapéu para os médicos e enfermeiros que estão lá na linha de frente, arriscando suas vidas. Acho que no começo eles não perceberam o quão perigoso seria lá fora ajudar os outros, mas eles são implacáveis com suas energias e esforços, ajudando a todos quando precisamos.”

“O coronavírus nos impactou em todo o mundo e acho que estará aqui por muito mais tempo do que prevemos e acho que estamos fazendo um ótimo trabalho de adaptação a esse tipo de ambiente”.

Spitz concorda com a visão geral de que o Comitê Olímpico Internacional tomou a decisão certa ao adiar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, apesar de ter sido uma decepção para atletas e fãs de esportes.

“Pelo menos afeta a maioria das pessoas da mesma maneira e afeta todos os tipos de esportes de maneira semelhante”, diz ele. “No entanto, se você estiver no final de sua carreira atlética, devido à sua idade, se você ainda pode permanecer em forma e treinar por mais um ano, pode se tornar extremamente difícil emocionalmente.

“Será interessante assistir aos atletas que não tiveram a chance de participar em 2020 em 2021. Certamente no meu esporte, natação, estaremos olhando nomes como Caeleb Dressel, Katie Ledecky e todos os outros atletas que atualmente são classificados no mundo “.

O futuro

Spitz está até preocupado com o fato de ninguém ter certeza de qual será o estado do mundo em 2021 por causa da pandemia. Ele diz: “Não acho que realmente tenhamos todas as respostas para esse coronavírus que está conosco agora, sobre como isso afetará economicamente o mundo.”

Mark Spitz, lenda olímpica da natação, classifica coronavírus como inimigo a se vencer
Mark Spitz, lenda olímpica da natação, classifica coronavírus como inimigo a se vencer (Divulgação/Laureus)

“Uma das grandes perguntas que você deve se perguntar é o que acontece daqui a um ano, quando estivermos a cerca de um mês dos Jogos Olímpicos que começam em Tóquio em 2021 e descobrimos que o Japão não está preparado para poder hospedar os jogos?”

Enquanto isso, juntamente com todos os outros membros da Academia Laureus, Spitz está fazendo o que pode para incentivar os jovens que estão atualmente participando dos programas Laureus Sport for Good em todo o mundo.

“Não há garantia de que vamos encontrar uma vacina para esse vírus. Você sabe que já faz quase 40 anos e eles ainda não têm uma vacina para o HIV, mas ainda estamos aqui e ainda conseguimos. Então eu espero, muito em breve, que todos voltemos ao normal, seja lá o que for normal “, disse Mark Spitz.

Mais em Olimpíada