Siga o OTD

Paralímpicos

Inclusão e igualdade são as palavras-chave da Liga Nescau

Desde 2017, a Liga Nescau é a maior competição estudantil do Brasil. A edição 2019 reuniu cerca de 4.000 atletas com ou sem deficiência no Centro Paralímpico

Medalha. Pódio. Sorrisos. Esse é o resumo do dia da Liga Nescau. Aqui não importa o resultado, todo mundo sai ganhando. Desde 2017, a Liga Nescau é a maior competição estudantil do Brasil, que reúne escolas, associações, ONGs, clubes e instituições de ensino. Na edição 2019, realizada nesse sábado (19), no Centro Paralímpico, em São Paulo, a Liga Nescau contou com um diferencial ainda mais especial: a inclusão e a igualdade. #AquiTodoMundoJoga.

+ INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Vôlei sentado, basquete em cadeira de rodas, atletismo, natação, judô, tênis de mesa e bocha reuniram cerca de mil estudantes paratletas. Eles estavam lado a lado com os mais de 3 mil competidores das modalidades. Incluindo ainda o skate, que fez estreia na quinta edição da Liga Nescau.

“Na mesma pista, no mesmo campo, na mesma piscina, rindo junto, se conhecendo, trocando experiência. Espero que essa parceria, principalmente com o esporte, perdure por muito e muitos anos. O esporte é sim para todo mundo”, contou Verônica Hipólito, uma das embaixadoras da Liga Nescau, que conta com 12.200 estudantes inscritos para as disputas em três capitais: São Paulo, Porto Alegre e Recife.

“O esporte é pra todo mundo”

Verônica com as crianças na Liga Nescau – Foto: João Pires / Fotojump

A Liga Nescau é também um dia ao lado do ídolo. Andar com Verônica Hipólito, do atletismo paralímpico, no evento é parar para fotos, é vibrar ao ver seu gigante pôster (assista em nossa conta no Instagram) e sorrir o tempo inteiro. “Hoje, as crianças estão conhecendo um dos maiores e melhores Centros de Treinamento do mundo. Quem sabe elas não consigam realizar o sonho e estar aqui futuramente?”, comemorou a atleta.

Tandara virou ‘profê’ por um dia

Na Liga Nescau, Tandara ensinando vôlei sentado – Foto: João Pires / Fotojump

“Tive a oportunidade de jogar com as crianças vôlei sentado. É muito mais difícil que o vôlei em pé. Fico muito feliz em estar participando de uma iniciativa tão boa,” contou Tandara. A atleta foi tão bem que até foi chamada de professora por algumas crianças durante a brincadeira.

“Eu gosto dessa inclusão. Mostrar para as pessoas que quem tem deficiência também é capaz de praticar o mesmo esporte. De se sentir importante. Nesse momento, é muito importante trazer crianças com deficiência e sem para o Centro Paralímpico. Acima de tudo, acho que a gente pode respeitar ainda mais. Muito feliz de ser embaixadora e poder passar a minha experiência, toda a minha trajetória, para essas crianças também”, conclui.

“O esporte não é só quem ganha”

Os embaixadores da Liga Nescau: Thiago Pereira e Tandara – Foto: João Pires / Fotojump

Os valores do esporte. Fomentar a base. Thiago Pereira logo se identificou com a Liga, já que tem também o seu próprio projeto social. “O esporte não é só quem ganha. O esporte não é você chegar em uma Olimpíada e ganhar uma medalha. O esporte é muito mais do que isso. O esporte é escola, é você saber ganhar, é você saber perder, você ter disciplina, perseverança, respeitar o espaço do outro. Isso sim é o grande aprendizado do esporte”, definiu.

A Liga Nescau continua durante todo o ano e o calendário você encontra aqui. A grande final da edição 2019 (tanto das modalidades coletivas, como do skate) será realizada no Estádio do Pacaembu, no dia 07 de dezembro (sábado).

Mais em Paralímpicos