Siga o OTD

Tóquio 2020

Após absolvição, Gabriel Santos já sonha com pódio em Tóquio

Gabriel Santos está liberado para voltar a competir e destaca a paciência como virtude desenvolvida no período de suspensão

Gabriel Santos, da natação
Gabriel Santos manifesta desejo de ser um medalhista olímpico (Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA)

Absolvido de uma acusação de doping, o nadador brasileiro Gabriel Santos está liberado para voltar a competir. Mas, devido à pandemia de coronavírus, que paralisou todas as competições do esporte mundial, continuará sem cair na água por tempo indeterminado. Com resultados significativos após a Rio-2016, o atleta é um dos principais nomes do Brasil na prova dos 100 metros nado livre e um forte candidato a estar em Tóquio 2020, que será disputada entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021.

Aos 23 anos, o nadador ganhou os 100 m livre no Troféu José Finkel (2016 e 2017), no Maria Lenk (2017 e 2018), e no Open de Natação (2016 e 2017). Em ascensão, Gabriel Santos esteve no topo do pódio em seis competições nacionais consecutivas.

“Tive alguns momentos que marcaram bastante. A medalha de prata no Mundial de Budapeste-2017 foi bastante significativa para mim. Já realizei alguns sonhos, mas o meu maior é me tornar medalhista olímpico”, afirmou o atleta, que foi vice-campeão mundial no 4 x 100 m livre, ao lado de César Cielo, Bruno Fratus e Marcelo Chierighini.

Gabriel Santos havia sido flagrado no doping em maio de 2019. Na época, o nadador testou positivo para o agente anabólico clostebol, substância proibida pela Wada (Agência Mundial Antidoping). Ele foi inocentado pela Corte Arbitral do Esporte (CAS), instância máxima da Justiça Esportiva mundial, no dia 14 de março, anulando a decisão da Federação Internacional de Natação (FINA) e o liberando para retornar aos treinos.

+ Longe da água e das notícias: Dayanne da Silva e a quarentena

Ansiedade não é um problema

O velocista estava liberado para participar da seletiva olímpica brasileira de natação, mas, o evento foi cancelado. Em 2019, por causa da punição, foi impedido de participar do Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, em Gwangju, na Coreia do Sul, e do Pan-Americano de Lima. Gabriel Santos não participa de uma competição há quase um ano e não tem previsão de quando isso poderá acontecer por causa do coronavírus.

Ainda assim, o nadador não está preocupado e garante que a ansiedade de voltar a competir não será um problema. “Eu passei por uma situação parecida um tempo atrás, no qual tive que treinar em casa, sozinho e também não podia competir. Fiquei oito meses assim. Não foi um período totalmente ruim, pois desenvolvi algumas virtudes e a paciência foi uma delas. Portanto, a ansiedade não está sendo um problema tão grande para mim”, declarou.

Olimpíada em 2021

Se conquistar a vaga para Tóquio, Gabriel Santos disputará sua segunda Olimpíada. Por sinal, o nadador aprovou a decisão do Comitê Olímpico Internacional (COI). “Foi correto e necessário, já que não tem condições de ser um ano olímpico com o mundo nessas condições. Nessa situação, acho que é positivo. Não sabemos até quando vamos ficar em casa, portanto, quanto mais tempo tivermos para treinar após normalizar tudo será melhor. Além de dar tranquilidade para mim e todo staff”, disse o atleta.

Gabriel Santos tem resultados significantes na prova dos 100 metros nado livre (Satiro Sodré/CBDA)

A confirmação do evento em 2021 contrasta com a incerteza do calendário de 2020, impossibilitando organizar um novo plano de trabalho. “Ainda não temos (planejamento). Precisamos esperar normalizar, voltar a treinar e aí traçar um novo planejamento”, destacou Gabriel Santos, medalha de ouro no revezamento 4 x 100 estilo livre no Pan-Pacífico de Tóquio.

Treinos na quarentena

Gabriel Santos é atleta do Pinheiros e mora em São Paulo. Por residir em um apartamento, com espaço limitado, e sem poder fazer trabalhos na piscina, o nadador está tendo que se adaptar nesse período de quarentena por conta do coronavírus.

“Estou me cuidando e respeitando todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Como atleta, não tem muito o que fazer. É um momento bem difícil no mundo inteiro, todos querem que isso passe logo, é importante se cuidar e seguir as recomendações para que vidas sejam salvas e tudo posso se normalizar”, comentou.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Além dos treinos físicos e com foco na região abdominal, lombar e pélvica, o atleta tem ocupado seu tempo com outras atividades. “Tenho atualizado todas as séries pendentes na Netflix, escutado música, lendo alguns artigos e livros, algo para ocupar a cabeça. Quanto aos treinamentos, eu tenho feito um trabalho de core e preventivo que foi passado pelo nosso preparador físico e fisioterapeuta”, concluiu o nadador.

AGENDA DO DIA

Mais em Tóquio 2020