Siga o OTD

Equipes femininas

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Squash – Equipes femininas

Local da competição

Ginásio Polideportivo 2

Local: Lima

Capacidade: 2.500 torcedores

A estrela dos Jogos

Melanie Jans em ação pela equipe canadense

Melanie Jans e Carolyn Russell são os grandes destaques do Canadá no vasto período de conquistas nos Jogos Pan-Americanos. Com dois ouros, são as maiores vencedoras do evento na categoria. As atletas atuaram juntas por duas oportunidades: Winnipeg 1999 e Santo Domingo 2003, fechando com ouro e prata, respectivamente.

Jans ainda faturou também a medalha de ouro em Mar del Plata 1995, em final contra os Estados Unidos. Posteriormente, em 2012, foi anunciada como treinadora da equipe canadense para eventos importantes naquela temporada. Russell, por sua vez, marcou presença no Rio de Janeiro 2007 e confirmou o título em terras cariocas.

Nossos pódios

Equipes masculina e feminina do Brasil levaram o bronze em Santo Domingo 2003

Apesar de não ter conseguido nenhuma vaga do naipe feminino para Lima 2019, o Brasil tem retrospecto interessante na categoria de equipes femininas nos Jogos Pan-Americanos. Desde Mar del Plata 1995, edição de estreia do squash na competição, as brasileiras conquistaram duas medalhas de bronze.

A primeira veio há exatos 20 anos: em Winnipeg 1999, o Brasil avançou às semifinais e assegurou a conquista. O mesmo aconteceu em Santo Domingo 2003. Com a equipe formada por Karen Redfern, Patricia Pamplona e Flávia Roberts, o time voltou da República Dominicana com a segunda medalha de bronze na conta.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1995 Heather Wallace
Melanie Jans
Kelsey Souchereau
Anita Soni
 Canadá
EUA  Colômbia
1999 Carolyn Russell
Marnie Baizley
Melanie Jans
Kelsey Souchereau
 Canadá
 EUA  Brasil
 México
2003
Latasha Khan
Louisa Hall
Meredeth Quick
 EUA
Carolyn Russell
Marnie Baizley
Melanie Jans
 Canadá
Samantha Terán
Teresa Osorio
Diana Huerta
 México
Karen Redfern
Patricia Pamplona
Flávia Roberts
 Brasil
2007 Carolyn Russell
Runa Reta
Alana Miller
 Canadá

Michelle Quibell
Natalie Grainger
Latasha Khan
 EUA
Catalina Pelaez
Silvia Angulo
Isabel Restrepo
 Colômbia
Nayelly Hernandez
Samantha Terán
Karina Herrera
 México
2011
Samantha Cornett
Stephanie Edmison
Miranda Ranieri
 Canadá
Silvia Angulo
Catalina Pelaez
Anna Porras
 Colômbia
Nayelly Hernandez
Imelda Salazar
Samantha Terán
 México
Olivia Blatchford
Lily Lorentzen
Maria Ubina
EUA
2015
Amanda Sobhy
Olivia Blatchford
Natalie Grainger
 EUA

Samantha Cornett
Nikki Todd
Hollie Naughton
 Canadá
Samantha Terán
Karla Urrutia
Diana Garcia
 México
Catalina Peláez
Laura Tovar Pérez
Karol Gonzalez
 Colômbia

Quadro de medalhas

Posição País Ouro Medalha de ouro Prata Medalha de prata Bronze Medalha de bronze Total
1  Canadá 4 2 0 6
2  EUA 2 3 1 6
3  Colômbia 0 1 3 4
4  México 0 0 5 5
5  Brasil 0 0 2 2

O esporte

Depois de um saque bom, os jogadores alternam o direto de bater na bola até um deles errar. A bola precisa bater obrigatoriamente na parede frontal, acima da linha de saque e abaixo da linha que delimita a quadra. Para chegar à parede frontal, a bola pode bater nas outras paredes, mas sem bater no chão antes. A bola não pode quicar mais de uma vez no chão.

O jogador deve sempre evitar bater na bola se houver o risco de acertar uma bolada ou raquetada no adversário. Um intervalo de 90 (noventa) segundos é permitido entre os games. Para o saque ser bom, é preciso acertar acima da linha de saque e abaixo da linha que delimita a quadra, caindo dentro do quadrante oposto do fundo da quadra. Além disso, o sacador precisa ter pelo menos um dos pés dentro do quadrado do saque. Se pisar na linha na hora que estiver sacando, perde o saque. (Reprodução: Squashistas)