Siga o OTD

3m sincronizado masculino

3m sincronizado masculinoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Saltos Ornamentais – 3m sincronizado masculino

 

Chances do Brasil3m sincronizado masculino

Para a prova dos 3m sincronizado masculino, o Brasil terá uma dupla mesclada pela experiência e a juventude: o veterano Ian Matos, de 30 anos, e a jovem promessa Luís Felipe Moura, de apenas 16. Ian vai para seu terceiro Pan, em busca da primeira medalha, depois de dois quartos lugares. Já Luís Felipe terá a grande oportunidade de estrear na competição mais importante do continente e quem sabe surpreender em Lima.

Local da competição

Centro Aquático Pan-Americano

Local: Videna – Vila Deportiva Nacional (Lima)

Nossos pódios

A prova foi incorporada no programa dos Pan-Americanos em 2003 e de lá para cá, ao longo das quatro edições realizadas, o Brasil não conseguiu subir ao pódio em nenhuma oportunidade.

Medalhistas

Ano Medalha de prata Medalha de bronze
2003 Alexandre Despatie
Philippe Comtois

Canadá
Erick Fornaris
Jorge Betancourt

Cuba
Troy Dumais
Justin Dumais

EUA
2007 Troy Dumais
Mitch Richeson

EUA
Erick Fornaris
Jorge Betancourt

Cuba
Alexandre Despatie
Arturo Miranda

Canadá
2011 Yahel Castillo
Julian Sánchez

 México
Troy Dumais
Kristian Ipsen

EUA
René Hernandéz
Jorge Luis Pupo

Cuba
2015 Rommel Pacheco
Jahir Ocampo

 México
Philippe Gagné
François Imbeau-Dulac

Canadá
Cory Bowersox
Zachary Nees

EUA

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 Mexico México 2 0 0 2
2 United States EUA 1 1 2 4
3 Canada Canadá 1 1 1 3
4 Cuba Cuba 0 2 1 3

A prova3m sincronizado masculino

A competição de Saltos Ornamentais é composta por duas fases: uma preliminar e uma final, na qual participam as 12 duplas com maior pontuação. Antes da competição, os saltadores apresentam uma lista dos saltos que irão executar e, caso realizem elementos distintos, não irão pontuar.

A prova acontece em uma piscina de no mínimo 20 x 25m e com 5m de profundidade no seu ponto mais fundo. No local, há ainda uma torre, em que fica o trampolim, uma tábua flexível, fixada a 3m do nível da água. Ele deve ter 50cm de largura e 4,8m de comprimento e ser coberto por um material antiderrapante.

O local deve apresentar ainda uma banheira de hidromassagem, utilizada para a manutenção da temperatura corporal dos atletas durante o intervalo entre os saltos.

Nas competições masculinas, os saltadoras apresentam 6 saltos em cada fase da competição. Os saltos podem ser de frente, costas, pontapé, revirado, parafuso e equilíbrio, e são aliados ainda a mortais e piruetas.

A única diferença nas provas sincronizadas é que os atletas saltam em duplas, e precisam executar os movimentos de forma idêntica e ao mesmo tempo.

Os árbitros avaliam os saltos dando uma nota de zero a dez, sendo descartadas a mais alta e a mais baixa. É levado em consideração pelos juízes: a posição inicial, a saída do trampolim, o voo dos atletas e a entrada na água, além da sincronia da dupla.