Siga o OTD

Skiff simples peso leve feminino

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Remo – Skiff simples peso leve feminino

Chances do Brasil

Mescando jovens remadores com outros mais experientes, a Confederação Brasileira de Remo convocou 20 atletas para o período de treinamentos e avaliações às vésperas dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro. Foram dois meses de trabalho, entre maio e julho. A expectativa da comissão técnica é superar o resultado abaixo da média em Toronto 2015, quando o Brasil trouxe para casa somente uma medalha de prata. Vanessa Cozzi foi a escolhida para representar o país no skiff simples peso leve.

A estrela dos Jogos

Depois de bater na trave e ficar com o bronze em Havana 1991, a argentina María Garisoain veio com tudo para as edições seguintes dos Jogos Pan-Americanos. Disputando o skiff simples peso leve feminino, ela repetiu a boa campanha já em casa, em Mar del Plata 1995, conquistando o primeiro título do país na categoria. Quatro anos depois, Garisoain dominou a prova nas águas de Winnipeg 1999 para fazer história. A representante da Argentina disputou os Jogos Olímpicos de 1996 e 2000.

Nossos pódios

Fabiana Beltrame foi prata em Guadalajara 2011 e Toronto 2015 (Washington Alves/Exemplus/COB)

A categoria faz parte do programa oficial do Pan desde Indianápolis 1987. De lá para cá, os melhores resultados brasileiros vieram justamente nas duas últimas edições dos Jogos. A catarinense Fabiana Beltrame foi responsável por colocar a bandeira do Brasil no pódio em Guadalajara 2011 e Toronto 2015, algo inédito até então. Em ambas as ocasiões, brigou forte entre as primeiras colocadas e faturou a medalha de prata. Além disso, ela conquistou o título mundial no skiff simples também na temporada de 2011.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1987 Michele Murphy
 Canadá
Merri Lisa Trigilo
 EUA
Verónica Schreiber
 México
1991 Peggy Johnston
EUA
María Montoya
 México
María Garisoain
 Argentina
1995 María Garisoain
 Argentina
Wendy Wiebe
 Canadá
Andrea Bradstret
 México
1999 María Garisoain
 Argentina
Tracy Duncan
 Canadá
Melissa Obidinski
EUA
2003 Ismaray Marrero
 Cuba
Gen Meredith
 Canadá
Melissa Rice
EUA
2011 Jennifer Goldsack
EUA
Fabiana Beltrame
 Brasil
Yaima Velazquez
 Cuba
2015 Mary Jones
EUA
Fabiana Beltrame
 Brasil
Lucia Palermo
 Argentina

Quadro de medalhas

Posição País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 3 1 2 6
2  Argentina 2 0 2 4
3  Canadá 1 3 0 4
4  Cuba 1 0 1 2
5  Brasil 0 2 0 2
6  México 0 1 2 3

O esporte

Milena Viana garante participação na final D do Mundial

As provas de remo são disputadas no sistema de eliminatória, contando com repescagem, semifinal e final. As distâncias percorridas nas provas são de dois mil metros. As raias, com largura padrão recomendada pela FISA, têm 13,50 metros de largura e profundidade entre 3 e 3,50 metros.

Os barcos utilizados para as competições são constituídos por um, dois, quatro ou oito remadores. Quando são oito remadores, é obrigatório ter um timoneiro. Ele é um integrante que não rema, mas é o responsável por orientar e incentivar a sua equipe durante as provas. Cada remador pode conduzir o barco utilizando um ou dois remos dependendo do tipo de barco. O formato do remo varia conforme a modalidade. Em algumas provas são utilizadas remos de até 4 metros. (Reprodução/Casal Travinha)