Siga o OTD

200m livre masculino

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Natação – 200m livre masculino

Chances do Brasil

Aos 21 anos de idade, Fernando Scheffer já é um dos principais nomes brasileiros nos 200m livre masculino e chega com moral para as disputas em Lima. Na temporada atual, ele ocupa o nono lugar no ranking mundial da categoria, sendo também o melhor representante das Américas com o tempo obtido no Troféu Maria Lenk (01m46s08), realizado em abril. Além disso, o gaúcho faturou a medalha de ouro nos Jogos Sul-Americanos de Cochabamba 2018, na Bolívia. A expectativa é de que Scheffer brigue diretamente pelo título na capital peruana.

Local da competição

Centro Aquático Pan-Americano
Local: Videna – Vila Deportiva Nacional (Lima)
Capacidade: 4.000 torcedores

A estrela dos Jogos

Depois de bater na trave com a prata em Havana 1991, Gustavo Borges foi dominante nas duas edições seguintes dos Jogos Pan-Americanos. Com o bicampeonato conquistado em Mar del Plata 1995 e Winnipeg 1999, garantiu os primeiros títulos do Brasil nos 200m livre e manteve a sequência pessoal de pódios. Até aqui, é também o único a garantir três medalhas na competição, ainda mais de maneira consecutiva.

Nossos pódios

Sem contar o retrospecto marcante de Gustavo Borges, Djan Madruga havia sido o primeiro nadador do país a figurar entre os melhores colocados após assegurar a medalha de bronze em San Juan 1979. Leonardo Costa e Rodrigo Castro igualaram o feito do compatriota com os desempenhos em Winnipeg 1999 e Santo Domingo 2003, respectivamente. Mais tarde, foi a vez de João de Lucca em Toronto 2015, ano da última edição do evento. Com direito a recorde da prova no Pan (1m46s49), voltou de terras canadenses com a medalha de ouro na conta.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro TEMPO Medalha de prata TEMPO Medalha de bronze TEMPO
1967 Don Schollander
United States EUA
1:56.01 Ralph Hutton
Canada Canadá
1:58.44 Julio Arango
Colombia Colômbia
2:01.77
1971 Frank Heckl
United States EUA
1:56.36 Jim McConica
United States EUA
1:58.18 Ralph Hutton
Canada Canadá
1:59.89
1975 Jorge Delgado
Ecuador Equador
1:55.45 Rick DeMont
United States EUA
1:55.96 Rex Favero
United States EUA
1:57.08
1979 Rowdy Gaines
United States EUA
1:51.22 David Larson
United States EUA
1:52.24 Djan Madruga
Brazil Brasil
1:52.34
1983 Bruce Hayes
United States EUA
1:49.89 Alberto Mestre
Venezuela Venezuela
1:50.36 Rowdy Gaines
United States EUA
1:51.27
1987 John Witchel
United States EUA
1:50.90 Carlos Scanavino
Uruguay Uruguai
1:51.21 Brian Jones
United States EUA
1:52.11
1991 Eric Diehl
United States EUA
1:49.67 Gustavo Borges
Brazil Brasil
1:49.74 René Sáez
Cuba Cuba
1:52.14
1995 Gustavo Borges
Brazil Brasil
1:48.49 Greg Burgess
United States EUA
1:48.69 Josh Davis
United States EUA
1:51.92
1999 Gustavo Borges
Brazil Brasil
1:49.41 Scott Tucker
United States EUA
1:50.99 Leonardo Costa
Brazil Brasil
1:51.29
2003 George Bovell
Trinidad and Tobago Trinidad e Tobago
1:48.90 Dan Ketchum
United States EUA
1:49.34 Rodrigo Castro
Brazil Brasil
1:49.55
2007 Matthew Owen
United States EUA
1:48.78 Shaune Fraser
Cayman Islands Ilhas Cayman
1:48.95 Adam Sioui
Canada Canadá
1:48.97
2011 Brett Fraser
Cayman Islands Ilhas Cayman
1:47.18 Shaune Fraser
Cayman Islands Ilhas Cayman
1:48.29 Ben Hockin
Paraguay Paraguai
1:48.48
2015 João de Lucca
Brazil Brasil
1.46.42 Federico Grabich
Argentina Argentina
1:46.42 Michael Weiss
United States EUA
1:47.63

Quadro de medalhas

Posição País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 United States EUA 7 6 5 18
2 Brazil Brasil 3 1 3 7
3 Cayman Islands Ilhas Cayman 1 2 0 3
4 Ecuador Equador 1 0 0 1
Trinidad and Tobago Trinidad e Tobago 1 0 0 1
6 Canada Canadá 0 1 2 3
7 Argentina Argentina 0 1 0 1
Uruguay Uruguai 0 1 0 1
Venezuela Venezuela 0 1 0 1
10 Cuba Cuba 0 0 1 1
Colombia Colômbia 0 0 1 1
Paraguay Paraguai 0 0 1 1

O esporte

Nesta prova, o nadador fica em posição horizontal, com a face voltada para o fundo da piscina e respira quando vira a cabeça para as laterais. As pernas agem no movimento parecido com uma tesoura, batendo os pés sobre a água e ao mesmo tempo gira os braços na linha do corpo, alternando-os em batida sobre a superfície da água. Por incrível que pareça, as provas de nado livre, o atleta pode escolher qual o estilo deseja nadar. Porém, todos preferem o crawl porque é o nado que alcança maior velocidade, logo, o crawl é chamado de nado livre e vice-versa.

Nas viradas de cada prova, o nadador deve tocar a parede da piscina com alguma parte do corpo e nas saídas destas viradas, o nadador pode ficar submerso até os primeiros 15 metros, do qual a partir deste ponto a cabeça deve cortar a superfície da água. Vence quem finalizar o percurso primeiro, consequentemente em menos tempo.