Siga o OTD

100m livre feminino

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Natação – 100m livre feminino

Chances do Brasil

Além de Etiene Medeiros, dona do melhor tempo do Brasil na atual temporada (54s48), Larissa Oliveira também registra marca que garantiria a medalha de ouro em todas as edições da competição. O resultado de 54s49 foi obtido através do desempeno no Maria Lenk, em abril. Na carreira, a nadadora mineira ainda conta com um título da categoria nos Jogos Sul-Americanos de 2014. A tendência é de que as representantes brasileiras estejam diretamente entre as favoritas na corrida pelo pódio no Peru.

Local da competição

Centro Aquático Pan-Americano
Local: Videna – Vila Deportiva Nacional (Lima)
Capacidade: 4.000 torcedores

Nossos pódios

(Foto: Satiro Sodré/SSPress)

Desde Buenos Aires 1951, ano da edição de estreia dos Jogos Pan-Americanos, o Brasil esteve entre os três melhores em apenas uma oportunidade nos 100m livre feminino. Em casa, Flávia Delaroli terminou em segundo lugar e foi medalha de prata no Rio de Janeiro 2007, ficando atrás de venezuelana Arlene Semeco. Na ocasião, Vanessa García, de Porto Rico, completou o pódio. A mineira se afastou da natação em 2012, aos 29 anos.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro TEMPO Medalha de prata TEMPO Medalha de bronze TEMPO
1951 Sharon Geary
United States EUA
1:08:4 Jackie LaVine
United States EUA
1:09.9 Ana María Schultz
Argentina Argentina
1:10.7
1955 Helen Stewart
Canada Canadá
1:07.7 Wanda Werner
United States EUA
1:07.7 Virginia Grant
Canada Canadá
1:08.3
1959 Chris von Saltza
United States EUA
1:03.8 Molly Botkin
United States EUA
1:05.7 Joan Spillane
United States EUA
1:05.8
1963 Terri Stickles
United States EUA
1:02.8 Mary Stewart
Canada Canadá
1:03.3 Kathy Ellis
United States EUA
1:03.5
1967 Erika Bricker
United States EUA
1:00.89 Marion Lay
Canada Canadá
1:01.02 Lillian Watson
United States EUA
1:01.54
1971 Sandy Neilson
United States EUA
1:00.60 Angela Coughlan
United States EUA
1:01.15 Karen James
Canada Canadá
1:01.88
1975 Kim Peyton
United States EUA
58.24 Jill Sterkel
United States EUA
58.57 Jill Quirk
Canada Canadá
58.92
1979 Cynthia Woodhead
United States EUA
56.22 Jill Sterkel
United States EUA
56.24 Gail Amundrud
Canada Canadá
57.79
1983 Carrie Steinseifer
United States EUA
56.92 Jane Kerr
Canada Canadá
57.51 Kathy Bald
Canada Canadá
57.76
1987 Silvia Poll
Costa Rica Costa Rica
56.39 Sara Linke
United States EUA
57.30 Jenny Thompson
United States EUA
57.46
1991 Ashley Tappin
United States EUA
56.51 Megan Oesting
United States EUA
57.14 Kristin Topham
Canada Canadá
57.63
1995 Angel Martino
United States EUA
55.62 Amy Van Dyken
United States EUA
55.92 Marianne Limpert
Canada Canadá
56.80
1999 Laura Nicholls
Canada Canadá
56.25 Tammie Spatz
United States EUA
56.44 Marianne Limpert
Canada Canadá
56.69
2003 Courtney Shealy
United States EUA
55.61 Christina Swindle
United States EUA
Florencia Szigeti
Argentina Argentina
55.92 Não houve
2007 Arlene Semeco
Venezuela Venezuela
55.17 Flávia Delaroli
Brazil Brasil
55.78 Vanessa García
Puerto Rico Porto Rico
55.84
2011 Amanda Kendall
United States EUA
54.75 Erika Erndl
United States EUA
55.04 Arlene Semeco
Venezuela Venezuela
55.43
2015 Chantal Van Landeghem
Canada Canadá
54.83 Natalie Coughlin
United States EUA
54.06 Arianna Vanderpool
The Bahamas Bahamas
54.15

Quadro de medalhas

Posição País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 United States EUA 12 13 4 29
2 Canada Canadá 3 3 8 14
3 Venezuela Venezuela 1 0 1 2
4 Costa Rica Costa Rica 1 0 0 1
5 Argentina Argentina 0 1 1 2
6 Brazil Brasil 0 1 0 1
7 Puerto Rico Porto Rico 0 0 1 1
The Bahamas Bahamas 0 0 1 1

O esporte

Nesta prova, o nadador fica em posição horizontal, com a face voltada para o fundo da piscina e respira quando vira a cabeça para as laterais. As pernas agem no movimento parecido com uma tesoura, batendo os pés sobre a água e ao mesmo tempo gira os braços na linha do corpo, alternando-os em batida sobre a superfície da água. Por incrível que pareça, as provas de nado livre, o atleta pode escolher qual o estilo deseja nadar. Porém, todos preferem o crawl porque é o nado que alcança maior velocidade, logo, o crawl é chamado de nado livre e vice-versa.

Nas viradas de cada prova, o nadador deve tocar a parede da piscina com alguma parte do corpo e nas saídas destas viradas, o nadador pode ficar submerso até os primeiros 15 metros, do qual a partir deste ponto a cabeça deve cortar a superfície da água. Vence quem finalizar o percurso primeiro, consequentemente em menos tempo.