Siga o OTD

Salto masculino

Salto masculinoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Ginástica Artística – Salto masculino

Chances do Brasil

Salto masculino

Caio Souza foi bronze no Pan de 2015

Na briga por um lugar no pódio do Salto masculino, Arthur Nory e Caio Souza são as esperanças do Brasil. Nory é hoje o ginasta mais completo do país e, apesar de este aparelho não ser o seu mais forte, ele pode surpreender em Lima.

Já Caio Souza quer pelo menos repetir o feito de 2015, quando conquistou a medalha de bronze no Pan-Americano em Toronto.

Local da competição

Polideportivo Villa El Salvador

A estrela dos Jogos

Os cubanos são os reis do Salto masculino nos Jogos Pan-Americanos: ficaram com o ouro em 11 das 17 edições da competição. Destaque para 1967, quando não houve um premiado com medalha de prata, porque dois atletas de Cuba subiram ao lugar mais alto do pódio.

O maior vencedor é Casimiro Suárez, com três ouros (1979 a 1987) e uma prata (1991), além de Jorge Cuervo e a estrela Eric López, com dois ouros cada um.

Nossos pódiosSalto masculino

O Brasil estreou no pódio do Salto masculino em 2003 e logo com uma dobradinha: Diego Hypólito garantiu a prata e Michel Conceição o bronze. E desde então, os brasileiros não passaram mais em branco. Nas duas edições seguintes, em 2007 e 2011, Hypólito foi bicampeão da prova e Caio Souza foi bronze em 2015.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1951 Ángel Aguiar
Cuba
Rafael Lecuona
Cuba
O. Ferrari
Argentina
1955 Joseph Kotys
EUA
Donald Holder
EUA
Jack Miles
EUA
Não premiado
1959 John Beckner
EUA
Richard Montpetit
Canadá
Gregor Weiss
EUA
Não premiado
1963 Wilhelm Weiler
Canadá
Jay Werner
EUA
Donald Tonry
EUA
1967 Jorge Rodríguez
Cuba
Octavio Suárez
Cuba
Não premiado Roger Dion
Canadá
Rogelio Mendoza
 México
Fred Roethlisberger
EUA
1971 Jorge Cuervo
Cuba
Jorge Rodríguez
Cuba
John Crosby
EUA
1975 Jorge Cuervo
Cuba
Kurt Thomas
EUA
Marshall Avener
EUA
1979 Casimiro Suárez
Cuba
Warren Long
Canadá
Richard Mazabel
Peru
1983 Casimiro Suárez
Cuba
Jorge Marin
Venezuela
Israel Sánchez
Cuba
Não premiado
1987 Casimiro Suárez
Cuba
Scott Johnson
EUA
Alejandro Peniche
 México
1991 Eric López Cuba Casimiro Suárez
Cuba
Victor Colon
 Porto Rico
Alejandro Peniche
 México
1995 Víctor Solorzano
Venezuela
Lazaro Lamelas
Cuba
Kris Burley
Canadá
1999 Abel Driggs
Cuba
Yoandry Díaz
Cuba
Kris Burley
Canadá
2003 Eric López
Cuba
Diego Hypólito
Brasil
Michel Conceição
Brasil
2007 Diego Hypólito
Brasil
Tomás González
Chile
Luis Rivera
 Porto Rico
2011 Diego Hypólito
Brasil
Tomás González
Chile
Hugh Smith
Canadá
2015 Manrique Larduet
Cuba
Donnell Whittenburg
EUA
Caio Souza
Brasil

Quadro de Medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  Cuba 12 6 0 18
2  EUA 2 7 4 13
3  Brasil 2 1 2 5
4  Canadá 1 1 4 6
5  Venezuela 1 1 0 2
6  Chile 0 2 0 2
7  México 0 0 3 3
8  Porto Rico 0 0 2 2
9 Peru 0 0 1 1
Argentina 0 0 1 1

A provaSalto masculino

Nesta prova, os ginastas saltam sobre um aparelho ligeiramente inclinado chamado mesa ou cavalo. O atleta percorre uma pista de corrida com 25m de comprimento antes de chegar ao trampolim (espécie de mola), que ajuda a impulsioná-lo até a mesa, disposta a uma altura de 1,35m do solo, na qual se apoia para realizar o salto.

No contato com a mesa é que o ginasta pega o impulso final para ganhar a altura necessária para a execução do salto. Uma vez atingida esta altura, o atleta realiza o movimento em si e é a etapa que mas conta pontos. A chegada se dá em colchões, que amortecem eventuais quedas. O ideal é que a ginasta crave a chegada, sem rotações ou desequilíbrios.

A prova consiste em dois saltos diferentes executados pelos ginastas. Cada salto possui um valor já determinado previamente no Código de Pontos, que é somado à nota de execução do atleta, resultando na nota final.

Primeiramente, é disputada uma fase classificatória e os oito atletas que obtiverem as maiores notas vão para a final.