Siga o OTD

Salto feminino

Salto femininoJogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Esqui Aquático – Salto feminino

Chances do Brasil

O Brasil não terá representantes nesta prova.

Nossos pódios

O Esqui Aquático passou a integrar o programa dos Jogos Pan-Americanos na edição de 1995. Desde então, o Brasil não conseguiu subir ao pódio em nenhuma oportunidade na prova de Salto feminino.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze
1995 Sherri Sloan
EUA
Kim DeMacedo
Canadá
Andrea Gaytán
 México
1999 Rhoni Barton
EUA
Karen Truelove
EUA
Kim DeMacedo
Canadá
2003 Karissa Wedd
Canadá
Rhoni Barton
EUA
Regina Jaquess
EUA
2007 Regina Jaquess
EUA
Whitney McClintock
Canadá
Mandy Nightingale
EUA
2011 Regina Jaquess
EUA
Whitney McClintock
Canadá
Karen Stevens
Canadá
2015 Regina Jaquess
EUA
Whitney McClintock
Canadá
Fernanda Naser
Chile

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 5 2 2 9
2  Canadá 1 4 2 7
3  Chile 0 0 1 1
 México 0 0 1 1

A provaSalto feminino

No esqui aquático, o competidor desliza sobre a água, apoiado em um ou dois esquis, puxados por um barco. Os objetivos variam de acordo com a modalidade de competição: percorrer um determinado percurso, fazer evoluções ou realizar saltos a partir de uma rampa.

Na prova de saltos, cada esquiador usa dois esquis. A lancha passa paralelamente à rampa em uma velocidade preestabelecida. Para ganhar mais impulso, o atleta cruza a marola feita pelo barco. Quando chega na rampa, ele se projeta ao ar. O salto só é válido se o competidor conseguir permanecer esquiando após aterrissar na água.

Cada esquiador tem três tentativas de salto e vence aquele que atingir a maior distância da rampa ao ponto em que tocar na água.