Siga o OTD

Revezamento 4x400m masculino

Jogos Pan-Americanos Lima 2019 – Atletismo – Revezamento 4x400m masculino

Chances do Brasil

Brasil não terá representantes no revezamento 4x400m feminino.

Local da competição

Estádio Atlético Pan-Americano

Local: Lima

Capacidade: 12.000 torcedores

Estrela dos Jogos

Os Estados Unidos são os maiores vencedores do revezamento 4x400m masculino dos Jogos Pan-Americanos com nove medalhas de ouro, mas os americanos enfrentam um jejum de 32 anos sem subir no lugar mais alto do pódio depois deixar escapar apenas uma vez a vitória nas dez primeira edições.

A última medalha de ouro dos Estados Unidos aconteceu em Indianápolis 1987. De lá para cá, todas as vitórias foram conquistadas por países do Caribe. Cuba venceu em Havana 1991, Mar Del Plata 1995 e Guadalajara 2001. Jamaica, que tinha sido a única a furar o domínio dos americanos nas primeiras edições ao ganhar o ouro em Chicago 1959, repetiu o feito em Winnipeg 1999 e Santo Domingo 2003. Para completar, Bahamas ganhou no Rio de Janeiro 2007 e Trinidad & Tobago ficou com o título em Toronto 2015.

Nossos Pódios

O time formado por Sanderlei Parrela, Eronilde Araújo, Claudinei Quirino e Anderson dos Santos foi o responsável por dar ao Brasil a medalha de prata no revezamento 4x400m masculino nos Jogos Pan-Americanos Winnipeg 1999. O quarteto completou a prova em 2min58s56, ficando atrás apenas dos jamaicanos Davian Clarke, Michael McDonald, Danny McFarlane e Gregory Haughton.

Foi a prova mais rápida da história do revezamento 4x400m na história dos Jogos Pan-Americanos. O tempo feito pelos brasileiros daria a eles a medalha de ouro em todas as edições dos Jogos, de 1951 a 2015, menos em 1999, quando os jamaicanos fizeram o recorde da competição, que pertence a eles até hoje.

Antes da medalha de prata de 1999, o Brasil já tinha ficado em segundo lugar nos Jogos Pan-Americanos uma vez. Foi em Caracas 1983, quando Evaldo da Silva, Zequinha Barbosa, Agberto Guimarães e Gerson de Souza completaram a prova em 3min02s79, apenas 32 centésimos atrás dos Estados Unidos, que conquistaram a medalha de ouro.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro MARCA Medalha de prata MARCA Medalha de bronze MARCA
1951 EUA 3:09.9 Chile 3:17.7 Argentina 3:18.4
1955 EUA 3:07.43 Jamaica 3:12.63 Venezuela 3:15.93
1959 Jamaica 3:05.3 EUA 3:05.8  Porto Rico 3:12.4
1963 EUA 3:09.62 Venezuela 3:12.20 Jamaica 3:12.61
1967 EUA 3:02.03 Canadá 3:04.83 Jamaica 3:05.99
1971 EUA 3:00.63 Jamaica 3:03.98  Trinidad e Tobago 3:04.58
1975 EUA 3:00.76 Cuba 3:02.82 Canadá 3:03.92
1979 EUA 3:03.8 Jamaica 3:04.7 Cuba 3:06.3
1983 EUA 3:00.47 Brasil 3:02.79 Cuba 3:03.15
1987 EUA 2:59.54 Cuba 2:59.72 Jamaica 3:03.57
1991 Cuba 3:01.93 EUA 3:02.02 Jamaica 3:02.12
1995 Cuba 3:01.53 Jamaica 3:02.11  Trinidad e Tobago 3:02.24
1999 Jamaica 2:57.97 Brasil 2:58.56 EUA 3:00.94
2003 Jamaica 3:01.81 EUA 3:01.87  República Dominicana 3:02.02
2007  Bahamas 3:01.94 EUA 3:02.44  República Dominicana 3:02.48
2011 Cuba 2:59.43  República Dominicana 3:00.44 Venezuela 3:00.82
2015  Trinidad e Tobago 2:59.60 EUA 3:00.21  Bahamas 3:00.34

Quadro de medalhas

Ordem País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1  EUA 7 3 1 11
2  Cuba 4 4 2 10
3  Canadá 1 2 2 5
4 Jamaica 0 1 3 4
5  Brasil 0 1 1 2
6  México 0 1 0 1
7 Colômbia Colômbia 0 0 2 2
8  Barbados 0 0 1 1

A prova

Revezamento 4×400 metros rasos é uma modalidade olímpica de atletismo, disputada por equipes de velocistas, que correm cada um deles uma volta inteira na pista.

Quatro velocistas competem em equipe dando uma volta inteira na pista. A primeira volta é corrida dentro de raias pré-designadas, assim como a segunda, até começo da reta de chegada. A partir daí, sem mais raias demarcadas, os atletas disputam a prova juntos geralmente correndo na mesma raia, cada um deles sempre portando um bastão a ser entregue ao corredor posterior, que o recebe dentro da zona de troca, uma área de dez metros de comprimento marcada a partir da linha de chegada nas pistas de atletismo. Vence a equipe cujo último atleta cruzar a linha de chegada primeiro com o bastão nas mãos