Siga o OTD

Futebol

Perto de reestreia, Camilinha quer “sentir adrenalina de novo”

Perto de reestreia, Camilinha quer "sentir adrenalina de novo"
Divulgação/Orlando Pride

Meia-atacante do Orlando Pride, brasileira Camilinha está cada vez mais próxima do retorno oficial aos gramados. Confira a entrevista completa!

Afastada das partidas oficiais há cerca de nove meses, Camilinha voltou a ser relacionada pelo Orlando Pride no último sábado (23) – a brasileira assistiu do banco de reservas a vitória da equipe sobre o Washington Spirit. O retorno aos gramados, entretanto, está cada vez mais próximo.

“A palavra que me define hoje é ansiedade, porque eu estou a poucos dias de voltar a jogar. Vão ser 10 ou 15 minutos de jogo, mas eu já vou sentir a adrenalina de novo, já vou sentir a gana e a vontade de estar ali mais tempo, de conquistar minha posição novamente no time e retornar a jogar muito bem aqui, podendo voltar à Seleção”, desabafou a meia-atacante.

“Me sentindo segura, com certeza vou fazer um bom jogo e ficar mais tranquila para dar sequência na competição de uma forma boa. Tem muita coisa envolvendo esse pós primeiro jogo”, completou.

A lesão – rompimento do ligamento cruzado anterior do joelho direito – aconteceu no dia 30 de setembro do último ano, em jogo válido pela última rodada da primeira fase da NWSL (National Women’s Soccer League). Fora da disputa dos playoffs da competição, a brasileira recebeu todo o suporte do clube americano durante o período de recuperação.

“Foi bem complicado no começo, porque você nunca espera por uma lesão desse tamanho. Eu fiz a cirurgia e o início do tratamento aqui em Orlando. Depois eu fui para o Brasil, porque tinha acabado a temporada e era meu tempo de folga. Depois disso eu retornei para Orlando e continuei o tratamento aqui. Eles me deram todo o suporte em São Paulo”, contou a jogadora.

Experiência nos Estados Unidos

Camilinha

Foto: Divulgação/Orlando Pride

A ida ao Orlando Pride aconteceu em 2017. Camilinha, que já tinha passagem pelo Houton Dash, clube de futebol feminino do Texas, viu-se em uma oportunidade inegável de unir os sonhos profissionais com os pessoais.

“A adaptação aqui foi muito boa. Eu sempre tive vontade de conhecer Orlando e os parques, sempre foi um sonho. Mas eu nunca tive a oportunidade de vir para cá, e acabou que juntou o útil ao agradável”, considerou a atleta. “Eu cheguei bem tranquila aqui e, quando as meninas me receberam, eu vi que fiz a escolha certa”, acrescentou.

Além de Camilinha, o Orlando Pride conta com mais três jogadoras brasileiras no elenco: Marta, Mônica e Poliana. Para a meia-atacante, isso colabora com a adaptação ao país. “Quando tem brasileiro junto, as coisas acabam ficando mais fáceis. Mas eu acredito também que quando você quer fazer o que ama, sozinha ou acompanhada, você tem que saber lidar com a distância”, afirmou.

“A gente deixa muitas pessoas que a gente ama para seguir esse sonho, mas eu sei também que esse também é o sonho deles”, completou.

Mais em Futebol