Siga o OTD

Paralímpicos

Pandemia suspende Centro de Formação do CPB

Por conta da pandemira do coronavírus, Centro de Formação do CPB será suspenso até o fim de 2020, afetando 35 funcionários, que foram demitidos, e cerca de 600 crianças, que ficarão sem atividade

Mizael Conrado presidente do CPB fala em evento de lançamento do Time São Paulo
Presidente do CPB, Mizael Conrado, promete que projeto volta em 2021 e que os funcionários demitidos serão recontratados (Alê Cabral/CPB)

O Centro de Formação do CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro), escolinha de esportes que atendia cerca de 600 crianças e jovens com deficiência em nove modalidades diferentes, teve suas atividades suspensas até o ano que vem por causa da pandemia do coronavírus. Cerca de 35 funcionários, entre professores, auxiliares e estagiários, serão demitidos por conta disso.

As atividades foram oficialmente suspensas em 16 de março, mas havia a expectativa de serem retomadas ainda em 2020. Todos os profissionais envolvidos ganharam férias até 30 de abril, mas, antes do fim deste período, foram informados que serão desligados de suas funções.

Pandemia prova demissões de 35 funcionários do Centro de Formação do CPB
Após serem colocados de férias, professores foram informados que serão demitidos quando retornarem (Daniel Zappe/CPB/MPIX)

“É uma semana bem triste porque o centro de formação é um dos projetos dos quais mais me orgulho. Não sabemos quando poderemos voltar a fazer eventos com aglomeração de pessoas e existe um número considerável de crianças que faz parte do grupo de risco. E não podemos voltar daqui alguns meses só com algumas crianças. Não podemos deixar de fora quem tem deficiência mais severa. Por isso, tomamos a decisão de suspender a escolinha. Vai retornar o ano que vem, com o começo do ano letivo, quando espero que as coisas tenham voltado ao normal”, afirmou o presidente do CPB, Mizael Conrado, em entrevista exclusiva ao Olimpíada Todo Dia.

Ao saber da decisão, pais dos alunos do Centro de Formação começaram um abaixo assinado com a intenção de convencer o CPB de não suspender as atividades. Mas Mizael Conrado explica que a atitude foi tomada para proteger a saúde das crianças.

Crianças com deficiência eram atendidas em nove modalidades diferentes no Centro de Formação do CPB (Daniel Zappe/CPB/MPIX)

“Tem criança que nem pode sair de casa. Muitas das crianças, por serem de grupo de risco, vão ter problemas muito sérios se forem contaminadas com o vírus”, explica o dirigente.

+ VEJA TODAS AS NOTÍCIAS SOBRE OS ESPORTES PARALÍMPICOS

Apesar da interrupção dos trabalhos em 2020, Mizael Conrado garante que o Centro de Formação vai continuar sendo um projeto prioritário do CPB. “Questão econômica é importante, mas o Centro de Formação é prioritário. O orçamento do projeto está garantido. Só vai ser suspenso este ano porque realmente não tem condições de continuar”.

O dirigente garantiu também que a intenção é recontratar no começo do ano que vem os profissionais que serão desligados no começo do mês que vem. “Se eles ainda estiverem disponíveis, se não tiverem se recolocado, nós vamos contratar”.

600 crianças e jovens deixarão de ser atendidas com a suspensão das atividades do Centro de Formação do CPB (Leandro Martins/MPIX/CPB)

Como exemplo disso, o dirigente cita o Seminário Internacional Paralímpico Escolar, realizado em julho do ano passado, em Aracaju. “90% dos palestrantes eram do Centro de Formação. Nada melhor do que quem entende de formação para falar num congresso escolar. Tínhamos um nível de excelência muito bom”.

Na oportunidade, os professores Danilo Novaes, do vôlei sentado, Alessandra Teodoro, da natação, Ugo Suzuki, do tênis de mesa, Walas Viana, da bocha, e Henrique Gavini, do atletismo, foram os palestrantes. Todos eles foram comunicados que serão dispensados assim que voltarem das férias.

Goalball é um dos esportes atendidos pelo Centro de Formação, que, apesar de suspenso, continua sendo tratado como prioridade pelo CPB (Leandro Martins/MPIX/CPB)

Apesar disso, Mizael Conrado não só garantiu a volta do projeto em 2021 como revelou também o desejo de espalhar o mesmo conceito do Centro de Formação existente em São Paulo para os 14 centros de excelência espalhados pelo país, que ele pretende que sejam 25 no futuro. “Estamos construindo um futuro, que só está crescendo. Imagina o fruto que isso vai dar nas Paralimpíadas de 2032?”, pergunta o dirigente.

OUTROS CORTES NO CPB

O Centro de Formação foi a única área totalmente afetada pela pandemia do coronavírus, mas outros departamentos também terão que sofrer ajustes com as paralisações de todos os eventos e treinamentos em virtude da quarentena. “Teremos que fazer reduções em todas as posições, inclusive na diretoria”, explicou Mizael Conrado.

O que, por enquanto, não vai ser afetado é quem trabalha diretamente com o alto rendimento. “Técnicos, psicólogos e nutricionistas, por exemplo, estão todos trabalhando, em contato direto com os atletas da seleções para mantê-los em atividade”.

Sobre o retorno dos treinos dentro do CT do CPB, Mizael Conrado ainda não tem uma previsão, mas espera poder fazer isso antes do fim do ano. “Se for um treino isolado, com poucos atletas, de dois em dois, por exemplo, acredito que a gente consiga recomeçar antes do fim do ano”, finalizou o presidente do CPB.

Mais em Paralímpicos