Siga o OTD

Ciclismo Mountain Bike

Henrique Avancini tem atletas paralímpicos como ídolos

Em live com Lauro Chaman, do ciclismo paralímpico, ex-campeão mundial no mountain bike revela idolatria com os atletas paralímpicos

Henrique Avancini, campeão mundial de MTB Marathon 2018 (Facebook/henrique.avancini.7)

Em bate papo com Lauro Chaman, Henrique Avancini fez questão de afirmar que suas referências esportivas também estão no esporte paralímpico. “Quando me perguntam quais são meus ídolos no esporte, digo com sinceridade que são os atletas paralímpicos.”

O encontro entre o medalhista paralímpico Lauro Chaman e o campeão mundial Henrique Avancini ocorreu na Live Tamo Junto, parceria entre o CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) e o COB (Comitê Olímpico do Brasil) na última quinta-feira (19).

“Por dentro, meu corpo é igual ao deles. Tive limitações históricas e do ambiente, mas quando eu olho para eles, é algo muito mais desafiador. Imagino como deve ser nos Jogos Paralímpicos, eu vejo muito sucesso em modalidades diferentes. Não sei se é impressão minha, mas a parte humana, o apoio e o suporte fazem toda diferença”, comentou Avancini.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

https://www.instagram.com/p/CBmBZIGgncj/

Trocando ideias

O atleta natural de Petrópolis, Rio de Janeiro, Henrique Avancini pediu para o ciclista Lauro Chaman, da classe C5, contar sua história na modalidade já que ele competia na modalidade convencional antes de integrar o Movimento Paralímpico.

“Lembro-me de um campeonato nacional em que corri junto com a elite. Não controlava bem a bicicleta, porque fazia mais força com a perna direita e não conseguia andar reto. Nunca tive problema de preconceito entre os atletas convencionais, mas depois que eu conheci o [esporte] paralímpico minha vida se transformou”, relatou o atleta natural de Araraquara.

lauro chaman, ciclista paralímpico
Lauro Chaman em ação no Parapan de Lima -2019 (Claudio Cruz / Lima 2019)

O paulista Lauro Chaman, 32 anos, nasceu com o pé esquerdo virado para trás. Fez uma cirurgia para corrigir, mas o procedimento levou à perda dos movimentos do tornozelo. Por conta disso, teve atrofia na panturrilha. Sempre usou a bicicleta como meio de transporte e, aos 13, começou a competir em provas de mountain bike contra atletas sem deficiência.

+ CPB lança protocolo para retomada dos treinos

Somente anos mais tarde, aos 22, Chaman ingressou no esporte paralímpico e, já nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, conquistou a prata na prova de estrada e o bronze na prova contrarrelógio. No ano seguinte, foi campeão mundial de estrada na África do Sul. Já no Mundial de ciclismo de pista no Rio em 2018, levou o ouro na prova scratch.

Já Henrique Avancini, 31, foi campeão no Mundial de Maratona Mountain Bike na Itália, em 2018.

Mais em Ciclismo Mountain Bike