Siga o OTD

Boxe

COI define sistema de qualificação do boxe para Tóquio 2020

Após suspensão da Associação Internacional de Boxe (AIBA), Conselho Executivo do COI aprova caminho qualificatório dos atletas da modalidade rumo a Tóquio 2020

IOC/GREG MARTIN

Depois de confirmar o boxe no programa olímpico de Tóquio 2020, o Comitê Olímpico Internacional (COI), nesta quarta-feira (19), através do Conselho Executivo, anunciou como será realizada a qualificatória da modalidade e as categorias que estarão na próxima olimpíada.

Vale lembrar que o boxe correu risco de ficar de fora do programa olímpico de Tóquio 2020 e que a Federação Internacional de Boxe foi suspensa, não podendo mais chancelar o torneio olímpico da modalidade.

Uma das modalidades mais antigas do cronograma olímpico, o boxe está presente nos Jogos desde St. Louis 1904. Nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, o Comitê Olímpico Internacional já teve problema com a modalidade, uma vez que 36 árbitros e assistentes de árbitros foram suspensos.

PROGRAMA DO EVENTO EM TÓQUIO 2020

O torneio de boxe será composto por 13 categorias de peso, 8 para homens e 5 para mulheres (comparado a 10 para homens e 3 para mulheres no Rio 2016), conforme já aprovado pelo COI em junho de 2017.

As categorias de peso confirmadas são:

Eventos masculinos (8)

Fly (48kg a 52kg)

Pena (52 kg a 57 kg)

Leve (57 kg a 63 kg)

Welter (63 kg a 69 kg)

Meio (69kg a 75kg)

Pesado Leve (75kg a 81kg)

Pesado (81 kg a 91 kg)

Super Pesado (91kg a + 91kg)

Eventos femininos (5)

Mosca (48 kg a 51 kg)

Pena (54 kg a 57 kg)

Leve (57 kg a 60 kg)

Welter (64 kg a 69 kg)

Meio (69kg a 75kg)

SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO DE TÓQUIO 2020

A proposta inclui uma distribuição de cotas revisada para melhorar a igualdade de gênero, o que aumentaria em 25% a cota de mulheres previamente aprovada pelo Conselho Executivo do COI em junho de 2017.

A cota global de 286 atletas é mantida e será composta de 186 homens e 100 mulheres (comparado a 250 homens e 36 mulheres no Rio 2016).

A distribuição continental foi baseada na participação e nos resultados nos dois últimos Jogos Olímpicos e em dois Campeonatos Mundiais para refletir a paisagem do boxe global.

Serão realizados quatro eventos continentais de qualificação (o evento Ásia e Oceania será combinado), juntamente com um Evento Mundial de Qualificação. Todos os eventos de qualificação serão realizados entre janeiro e maio de 2020. As cidades-sede dos eventos de qualificação serão segmentadas / selecionadas entre os países anfitriões dos Jogos Olímpicos recentes ou futuros.

“Estas recomendações visam manter os atletas no centro dos Jogos Olímpicos, protegendo sua experiência e seu direito de competir”, disse o membro do COI Morinari Watanabe, presidente da Força Tarefa de Boxe e presidente da Federação Internacional de Ginástica (FIG). “Eles também respeitam plenamente os princípios de inclusão e universalidade, aumentam o equilíbrio de gênero e estabelecem critérios justos de participação para atletas em todo o mundo, garantindo uma representação diversificada e abrangente.”

Todas as propostas são o resultado de um processo de consulta minucioso liderado por Watanabe com várias partes interessadas, incluindo o Comitê Organizador de Tóquio 2020, a Associação de Comitês Olímpicos Nacionais (ANOC) e especialistas relevantes em boxe.

A fim de garantir a entrega dos eventos de qualificação e do torneio de boxe em Tóquio 2020, a composição da Força Tarefa foi confirmada com os seguintes membros que se juntaram a Watanabe (em ordem alfabética):

Mr William Frederick BLICK (UGA), Membro do COI

Sr. Willi KALTSCHMITT LUJAN (GUA), membro do CO do COI

Sra. Aya MAHMOUD MEDANCY (EGY), membro da Comissão de Atletas do COI

Sr. Marius VIZER (ROU), Presidente da Federação Internacional de Judô

Um grupo técnico de boxe também ajudará em um nível administrativo para ajudar a orientar a tomada de decisões da Força-Tarefa, enquanto nenhuma liga profissional de boxe ou membros da antiga liderança da AIBA estarão representados na Força-Tarefa.

Essas recomendações são a última etapa de um processo em que áreas de preocupação com relação à AIBA, especificamente relacionadas às áreas de finanças, governança, ética, arbitragem e julgamento, foram identificadas. O COI do COI decidiu posteriormente, em novembro de 2018, lançar uma investigação sobre a AIBA . Isso levou à criação de uma Comissão de Inquérito que divulgou seu relatório em maio de 2019 , que serviu de base para a recomendação do COI do CE de suspender o reconhecimento da AIBA, mantendo o torneio de boxe em Tóquio 2020.

AGENDA DO DIA

Mais em Boxe