Siga o OTD

Basquete

Anos 90 e atualidade: o que houve com o basquete feminino?

Após chegar ao topo do mundo e ao pódio olímpico na mesma década, a modalidade vive dificuldades para conseguir resultados expressivos

Seleção Brasileira de basquete feminino 1994
Seleção brasileira no pódio após conquistar o título mundial de 1994 (Divulgação)

“Foi a junção de qualidade, muito trabalho, muita dedicação, vontade e entrega”. A frase é da pivô Alessandra, uma das atletas que tem seu nome marcado na história do basquete feminino do Brasil por conta da série de conquistas da seleção durante a década de 90. 

A geração daquela seleção brasileira fez história, mas se engana quem pensa nos campeonatos de basquete feminino disputados pelo Brasil e só se lembra dos títulos e medalhas olímpicas. A equipe que tinha como base Paula, Hortência, Janeth e companhia fez mais do que os pódios para o país. 

Para conseguir mostrar em números e resultados o que a geração que representou o Brasil no basquete feminino nos anos 90 fez, a reportagem do Olimpíada Todo Dia optou por usar três competições como parâmetros: Jogos Pan-Americanos, Campeonato Mundial e Olimpíada. 

Durante a década em questão, como nos Jogos Pan-Americanos de 1995 o torneio da modalidade não aconteceu, a seleção brasileira disputou 11 competições e ficou entre os quatro melhores colocados em seis deles, sendo que levou o ouro em dois. 

Seleção Brasileira de basquete femininoMundial de 1994
Em 2019, a seleção brasileira do mundial de 1994 se reuniu para comemorar 25 anos da conquista (Instituto Janeth Arcain)

“Não foi só a nossa dedicação, resiliência, qualidade. Teve uma questão de fortalecimento dos times do país, presença na mídia, tudo junto ajudou aquela geração”, disse Magic Paula.

Até Fidel se rendeu

A caminhada dourada daquela seleção começou em Cuba. Nos Jogos Pan-Americanos de Havana, em 1991, até Fidel Castro se rendeu aos dribles de Paula, Hortência, Janeth e companhia. Na decisão, contra as donas da casa, as brasileiras ditaram o ritmo e conquistaram o título que não vinha havia 20 anos.

+ A busca do basquete feminino pela igualdade de apoio

Antes do mundial de 1994, o Brasil disputou a Olimpíada de Barcelona-1992. Foi a primeira participação da equipe em Jogos Olímpicos, que terminou em sétimo lugar entre oito participantes.

Após vencer Cuba, seleção brasileira recebe a medalha de ouro de Fidel Castro (Divulgação)

Período de glórias

Nos últimos seis anos da década uma sequência de tirar o fôlego. Em 1994, na Austrália, o primeiro, e até o momento único, título mundial do basquete feminino. Nos Jogos de Atlanta-1996, veio a conquista da primeira medalha das mulheres na modalidade em Olimpíadas, com a prata.

Em 1998, já sem a presença de Hortência, o Brasil ficou com o quarto lugar no Mundial da Alemanha e se manteve entre as melhores seleções do mundo. E nos Jogos Olímpicos de Sydney-2000, agora também sem contar com Paula, ficou com o bronze.

Presente na maioria das conquistas do basquete feminino do Brasil durante o período, Alessandra relembra com alegria das conquistas e das conversas que tinha com as companheiras de time sobre a seleção brasileira.

+Oscar Schmidt vira atração no eMuseu do Esporte

“A gente sempre teve qualidade, no Mundial de 1971 as seleção chegou ao pódio e foi bronze, então sempre teve qualidade. A diferença foi a forma como aquela geração encarou as coisas e viu que dava. Nos times em que eu joguei na Europa sempre me perguntavam como a gente conseguia, de um jeito ou de outro, se manter entre as quatro melhores seleções do planeta por tanto tempo”.

‘Mas quem é o Miguel?’

Já estava próximo do Mundial de basquete feminino quando a Confederação Brasileira de Basquete anunciou que Miguel Ângelo da Luz seria o técnico. Apesar de assumir o cargo de treinador daquela equipe, o comandante era apenas alguns meses mais velho que Hortência, a mais experiente do grupo, e nunca havia trabalhado com o basquete feminino.

Basquete feminino 1994 título mundial
Jornal estampando o feito histórico da seleção brasileira de basquete feminino (reprodução)

“A primeira coisa que nós fizemos foi tentar descobrir quem era ele porque ninguém sabia. Depois a gente soube que ele nunca tinha trabalhado com o basquete feminino e eu fiquei um pouco preocupada. Mas ele veio para somar, com a ideia de motivar e tentar tirar o melhor de nós e deu certo’, comentou Hortência em entrevista dada ao “Bandsports”.

Apoio existiu, para algumas

Se a realidade hoje é difícil para a modalidade, na década de 90 não era muito diferente. Apesar de Paula, Hortência, Janeth e companhia terem conseguido alavancar o país para o título mundial e o pódio olímpico, o apoio e a estrutura era algo que faltava em determinados momentos. 

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

“Não vou mentir que existiu sim em alguns momentos, mas para algumas e em determinadas ocasiões específicas. Eu cansei de treinar com uniforme do masculino e de comprar tênis com dinheiro do próprio bolso para jogar pela seleção em alguns Mundiais e Olimpíada”, comenta Alessandra. 

+ Jacqueline e Sandra: primeiras brasileiras campeãs olímpicas

Já Paula vê aquele período de ouro do basquete feminino do Brasil de forma diferente. A ex-armadora da seleção reconhece que houve uma dificuldade para que o apoio e os patrocínios chegassem, mas eles chegaram. 

“Foi difícil em um momento, no começo para que o apoio e para que os patrocínios viessem, mas eles vieram. Não só porque nós conseguimos os resultados nos campeonatos, mas porque a gente lotava ginásio, porque existia a ‘rivalidade entre eu e a Hortência, porque nós estávamos sempre na mídia e isso ajudava nesse sentido”. 

O passado ficou para trás

Hoje, quando se fala sobre o basquete feminino no Brasil, ainda são lembradas as atletas que faziam parte da equipe durante os anos 90. Todas merecem ser lembradas por tudo que fizeram e conquistaram pelo país. Mas por que não falar também das atletas que atuaram com a camisa verde e amarela nos últimos anos? 

Brasil x Austrália - Pré-Olímpico de basquete
Damiris é uma das maiores referências quando se fala de basquete feminino do Brasil na atualidade (divulgação/CBB)

Queda de desempenho

A última conquista do Brasil, em campeonatos de grande porte, aconteceu em 2000, na Olimpíada de Sydney. Se levarmos em consideração as disputas pelas medalhas, podemos incluir nesta lista a Olimpíada de Atenas, em 2004, e o Mundial de 2006, realizado no Brasil, em que a seleção ficou com o quarto lugar. 

Contudo, desde então o desempenho do Brasil teve uma queda considerável. Apesar do título dos Jogos Pan-Americanos de Lima, do bronze em Guadalajara-2011 e do quarto lugar em Toronto-2015, quando olhamos para Olimpíada e Campeonato Mundial a distância para o topo é ainda maior. 

Nos Jogos Olímpicos, depois de ficar entre as quatro melhores seleções da competição em três edições seguidas, o Brasil foi o 11º colocado em 2008, 2012 e 2016, vencendo apenas dois jogos em 15 disputados. 

França x Brasil - Pré-Olímpico de basquete feminino
Seleção brasileira feminina não se classificou para a Olimpíada de Tóquio
(Foto: Divulgação/CBB)

Já quando falamos de Campeonato Mundial, o basquete feminino brasileiro vem piorando seu desempenho conforme os anos. Em 2010 a equipe foi eliminada na segunda fase, em 2014 não passou das oitavas de final e em 2018 não se classificou para a disputa. 

“Eu não consigo avaliar o basquete feminino do Brasil só pelos resultados porque seria uma avaliação muito míope. Acho que o que temos hoje é fruto do que foi feito em quase 20 anos de gestões erradas da CBB (Confederação Brasileira de Basquete), em que o feminino sempre foi deixado de lado. Além disso, a falta de ter uma liga nacional forte, que dure mais tempo também afeta. O fato de não pensar no futuro, nas novas gerações, não ter um planejamento. A atual gestão faz o que pode, não o que seria preciso. Esse descaso que existiu matou algumas gerações do basquete feminino do Brasil”, finalizou Paula.

AGENDA DO DIA

ago 14 03:00 CSI2* Riesenbeck Karina Johannpeter (CSI2*) ago 14 04:00 CSI2* Lier André Américo de Miranda (CSIYH1*, CSI2*); Fernando Penteado (CSI2*); Luís Antonio Neves (CSIYH1*, CSI2*); Maria Elisa Gonzaga (CSI1*); Nando de Miranda (CSIYH1*, CSI2*) ago 14 04:00 CSI3* Deauville Ana Elisa Aguiar Ramos (CSI1*); Eduardo de Menezes (CSI3*); Francisco Musa (CSI3*); Marlon Zanotelli (CSI3*); Pedro Muylaert (CSI3*) ago 14 13:00 Amistoso de futebol feminino Hellas Verona Internazionale ago 14 14:00 Open de Loulé de natação 1500 m livre masculino Fernando Ponte ago 14 14:00 Open de Loulé de natação 1500 m livre masculino Alexandre Finco ago 14 14:00 Open de Loulé de natação 1500 m livre masculino Diogo Vilarinho ago 14 14:00 WTA de Lexington Luisa Stefani (BRA)/Hayley Carter (EUA) Anna Blinkova (RUS)/Vera Zvonareva (RUS) ago 14 14:10 Open de Loulé de natação 800 m livre feminino Viviane Jungblut ago 14 14:25 Open de Loulé de natação 50 m costas masculino Guilherme Guido ago 14 14:30 Open de Loulé de natação 200 m borboleta masculino Leonardo Santos ago 14 14:35 Open de Loulé de natação 200 m livre masculino Murilo Sartori ago 14 14:35 Open de Loulé de natação 200 m livre masculino Fernando Scheffer ago 14 14:35 Open de Loulé de natação 200 m livre masculino Breno Correia ago 14 14:40 Etapa de Monaco da Diamond League Salto com vara Thiago Braz ago 14 14:40 Open de Loulé de natação 200 m peito masculino Felipe França ago 14 15:25 Open de Loulé de natação 4 x 200 m livre masculino Brasil ago 14 15:50 Founders Tribute at Longbow – Symetra Tour de golfe Luiza Altmann ago 14 23:00 NBA Philadelphia 76ers Houston Rockets

Mais em Basquete