Siga o OTD

Basquete

Vinda da França, Clarissa se isola para proteger a família

Com exclusividade, jogadora do Lyon Asvel falou sobre a pandemia que assola a França e sobre o isolamento voluntário que está fazendo no Rio de Janeiro

Clarissa dos Santos fala sobre coronavírus na França
(Divulgação/ LBF)

Enquanto alguns atletas brasileiros ainda enfrentam a pandemia do coronavírus na Europa, outros conseguiram escapar do continente para ficarem com a família no Brasil. Foi o caso da jogadora de basquete Clarissa dos Santos, que mora na França, mas foi liberada pelo Lyon Asvel e chegou ao Rio de Janeiro na última semana.

“Devido à situação, o Tony Parker, nosso presidente, resolveu liberar as atletas dele, por uma questão mais de segurança, pra cada uma ir para sua casa, pra estar mais seguro neste momento mais complicado e esperar as coisas resolverem”, explicou a brasileira ao Olimpíada Todo Dia.

+ SIGA O OTD NO FACEBOOKINSTAGRAMTWITTER E YOUTUBE

Todos os torneios esportivos franceses estão suspensos no momento. O Campeonato Francês de basquete feminino está parado até o dia 31 de março, mas com possível adiamento maior. A FIBA também anunciou a suspensão de todos seus torneios sem data de retorno. Isso inclui a Euroliga que contava com a participação do Lyon Asvel.

“Ainda não tem nenhuma notícia, nenhuma coisa concreta em relação ao retorno ou não dos campeonatos”, contou Clarissa.

Quarentena na França

A França é o quarto país europeu com mais casos da Covid-19 e o sétimo em todo o mundo. São mais de 25 mil contaminados e 1.330 mortes confirmadas. Devido à pandemia, o governo decretou a quarentena obrigatória e a suspensão de todas as atividades. Escolas, parques, prédios públicos e comércio estão fechados. Apenas estabelecimentos essenciais, como farmácias e supermercados, continuam abertos. Sair na rua sem motivo também pode resultar em multas.

“As pessoas foram aconselhadas a ficar dentro de casa, aconselhadas não, quase obrigadas, para realmente conter a propagação do vírus”, explicou Clarissa.

“E aí, como algumas pessoas não estavam tendo tanta disciplina para ficar dentro de casa, o governo resolveu multar quem estivesse na rua sem alguma justificativa importante. Para sair, você tem que ter uma declaração que você precisa assinar e preencher para ter um motivo para estar na rua. Não pode sair para fazer qualquer tipo de coisa, como visitar uma amiga’, isso não pode. A gente realmente não saía de casa e tentava fazer o mínimo, nem se encontrar entre a gente, só falando pelo telefone”, explicou.

Isolamento no Brasil

Clarissa conseguiu chegar ao Brasil na última quinta-feira (19) e foi para a casa da mãe e da avó no Rio de Janeiro. Preocupada com um possível contágio da doença, a jogadora de 32 anos se colocou em isolamento voluntário até poder ter contato com a família.

“Estou vivendo o isolamento do isolamento”, brincou. “Eu cheguei aqui (no Rio de Janeiro) e dei um jeito de não ter contato com elas. Eu estou em casa, mas não estou em casa. Estou na casa da minha mãe, no quintal de trás. Minha mãe e minha vó ficam na casa da frente e eu fico aqui atrás, isolada. Como eu vim de um país que está mais afetado, quero tentar manter esses dias de quarentena pra ver realmente como vou me sentir para ter contato com elas. Então o contato é pela grade da janela, muito longe, o mínimo possível de conversa. Só por uns dias para poder ter um pouco mais de segurança.”

Contra o tédio

Enquanto se isola da família, Clarissa tenta matar o tédio com livros, televisão e música. “Tem um violão aqui em casa que eu finjo que toco”, brincou. Mas, principalmente, a jogadora de basquete aproveita para fazer exercícios físicos.

Quando ainda estava na França, Clarissa já fazia treinos em casa para manter o condicionamento físico. No Brasil, não é diferente. E a jogadora aproveita para mostras as rotinas de treinamento em suas redes sociais.

“Durante esse período que eu estava lá (na França), a gente estava dentro de casa por conta das solicitações do governo, mas o preparador físico passou algumas coisas pra gente continuar fazendo: exercícios de força, cardio, para poder manter o mínimo dentro de casa e também não ficar sem fazer nada”, contou. “Tenho feito algumas atividades em casa pra manter alguma coisa de condicionamento físico, porque só comer não dá”, brincou Clarissa.

https://www.instagram.com/p/B-DbZLgC7qy/

Mais em Basquete